NPC 83 – Esquerda ou Direita?

Randal Bergamasco 10 de outubro de 2016 27
NPC 83 – Esquerda ou Direita?

Reproduzir

Fora Dilma! Fora Temer! Seu Coxinha almofadinha! Seu Petralha comunista! Os ânimos andam exaltados por aqui, não é? As graves crises político-econômica tem esquentado os debates políticos e polarizou a opinião pública em dois nítidos lados. E qual caminho você prefere seguir? No programa de hoje, Randal Bergamasco (@randalberga) recebe o liberal Oleno Petrere (@ndox138) e o kantiano Márcio Etiane (@oLexCast) e te perguntamos qual o seu lado: Direita e Esquerda? Nesta edição, conheça onde, como e quando surgiram esses termos; discuta conosco o cenário político brasileiro, seus principais partidos e espectros políticos. Você acha suficiente trinta e cinco partidos diferentes no Brasil ou são siglas demais? Estados Unidos, Estado de Bem Estar Europeu, extremismo político. Isso são apenas nossos 15 segundos de horário gratuito sobre esse tema histórico, cotidiano, filosófico e polêmico. Então ouça esse episódio e diz aí pra gente em que lado você está.

:-: NÃO QUER OUVIR A LEITURA DE E-MAILS? :-:
Caso não queira ouvir o “Correio da Roça”, pule para 13:35 minutos.

:-: SITE DOS CONVIDADOS: :-:
– LexCast – Podcast de Márcio Etiane
– Canal do Juridiquês – Canal do Etiane no YouTube

:-: COMENTADO NESTE EPISÓDIO: :-:
– Política: O que é ser esquerda, direita, liberal e conservador? (Uol Vestibular)
– Entenda o “Fora Temer” e o que é ser esquerdista – Canal Consoles e Jogos Brasil (YouTube)
– Partidos políticos registrados no TSE (Site Oficial do TSE)
– Meme Star Trek vs. Mad Max
– Political Compass (Bússola Política)
– Celso Russomanno, o candidato anti-Uber (Revista Época)
– Estado de Bem-Estar Social (Info Escola)
– Repórter do “NYT” dá uma volta em um carro autônomo da Uber e conta como foi (Uol Tecnologia)
– “Carro próprio” vai acabar, prevê especialista; estamos prontos? (Uol Carros)
– Crianças reagem a Donald Trump (YouTube)

:-: PRÓXIMO NA PORTEIRA CAST: :-:
Previsão da publicação do próximo episódio: 30 de outubro de 2016.

  • Inoue

    Só passando para dar um alô.
    Vou fazer o teste para descobrir em que lado me encontro.

  • Randal, eu gravei um episódio do meu podcast trazendo o histórico dos termos esquerda e direita, além de colocar como a ciência política vê a situação hoje em dia, bem como tentando exemplificar com os partidos políticos no Brasil

    http://www.alobrandalise.com/2016/01/alobrandalise-07-direita-e-esquerda-na.html

    • Randal Bergamasco

      Pois fica também de material complementar para essa postagem. Tentarei ouvir, André. Obrigado!

    • Oleno Petrere Ndox

      vou ouvir no fds e qualquer coisa apareço pra plantar a treta :p

  • Anderson

    Acho que o problema do Brasil não é ir para a direita ou para a esquerda, ambos tem prós e contras e a alternância dos dois de tempos e tempos deveria servir para corrigir distorções. O problema é que quem está no poder (que no fundo é um reflexo da sociedade) pensa quase que exclusivamente em ter a maior vantagem pessoal possível em tudo, não se importando se essa atitude irá atrasar o país em décadas, não há uma agenda pensando em elevar o país como um todo a ser um dos melhores e mais importantes países do globo. Lugar que a meu ver temos um grande potencial para alcançar assim que conseguirmos superar esse problema.

    • Randal Bergamasco

      ” (..) o problema do Brasil não é ir para a direita ou para a esquerda, ambos tem prós e contras e a alternância dos dois de tempos e tempos deveria servir para corrigir distorções. O problema é que quem está no poder (…) pensa quase que exclusivamente em ter a maior vantagem pessoal possível em tudo, não se importando se essa atitude irá atrasar o país em décadas (…)”
      Resumo-me a repetir parcialmente seu comentário e aplaudir! Na minha opinião, é bom por aí mesmo.

  • Gleibson Gregorio

    Randal, venho novamente agradecer pelo espaço!
    Quando fiz o comentário não imaginava que seria lido no programa, até pelo tamanho que ficou.
    Posteriormente você disse que seria lido e, de fato, assim como informou, foi lido e na íntegra.

    A respeito do programa “Esquerda ou Direita?”, não tenho posição política e tenho um sério problema com a maneira que ela é tratada no país, e quando falo “tratada”, refiro-me a forma que os brasileiros culturalmente se posicionam.
    Quando era criança, lembro-me de uma história que ouvia as pessoas (pais e vizinhos) comentando. Trata-se de uma suposta frase do então Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, que teria chamado os brasileiros de “burros”(recordei durante o programa e não tive a decência de buscar a veracidade da informação). Mas o que importa é que na época fiquei bastante chateado em saber desse comentário, atualmente aplaudiria de pé, embora não fizesse o mesmo na sua posição.
    Quantas vezes temos a sorte de encontrar na internet conversas no nível intelectual e respeitoso de vocês nesse programa. A maioria escolhe um lado e, baseado no vácuo que circunda a sua noção de espaço social, defende como defende o time de futebol que torce. A nossa cultura é suja por comportamentos diários que aprendemos direta e indiretamente desde a infância e que acabam sendo banalizados, difundindo-se por todas as partes, órgãos e instituições. É muito fácil sair às ruas pedindo pelo fim da corrupção na política, mas ao mesmo tempo jogar o lixo do que consome no chão e furar a fila na estação de metrô e terminais de ônibus enquanto volta para casa. Como julgar os valores do desrespeito com o cidadão, seja ele desviando dinheiro público entre quatro paredes ou nas ruas frente a frente com os outros indivíduos? Especificamente aqui no Brasil, o que deve mudar de imediato é a cultura, dentre ela a cultura de valores. O que é ser “esperto” de verdade para um brasileiro? Será que é mesmo passar por cima dos outros para tirar a melhor vantagem individual possível, ainda que isso implique num prejuízo irreversível para a outra pessoa?

    Desculpa pelo “textão” novamente!
    Abraço!

    Gleibson Gregorio
    Olinda-PE
    Idade: 30 anos
    Formação: Geografia UFPE

    • Randal Bergamasco

      Eu tinha a obrigação moral de ler ser comentário, Gleidson, pois ela dizia sobre algo que exploramos pouco no programa.
      E quanto ao assunto do nosso último programa, o que mais tem me preocupado é o extremismo que vem reinando. As pessoas não respeitam outros de posicionamentos políticos diferentes, e um simples comentário se torna uma briga sem fim.

      • Gleibson Gregorio

        Perfeito, é exatamente a questão de defender como defende o time que torce. Pontos positivos e negativos das partes são descartados, a razão se desfaz e abre espaço para um campo de guerra onde o achismo é a arma do discurso, isso apenas para defender a sua escolha, esta que, em muitos casos, não é um posicionamento coerente baseado nas relações políticas e sociais observadas no espaço. Diferente daquilo que vimos no episódio.

  • Ótimo episódio! Esclareceu muitas coisas. Engraçado que, apesar de eu “pensar” que tenho uma posição centro-direita, quando fiz o teste (Political Compass) alguns dias atrás, o resultado foi algo quase no centro, mas para o lado da esquerda, e uns 20% para baixo, no liberalismo. Acho que as vezes nós acabamos dizendo que somos algo para “querer estar” daquele lado, mas o nosso pensamento pode ser o oposto.

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

    • Randal Bergamasco

      Também fiz o teste e, para a minha surpresa, ele apontou que sou de centro. Repensando minhas posições, acho que ela acertou na mosca. Hoje declaradamente sou desse espectro político.

  • Danilo

    Excelente episódio Randal!

    • Randal Bergamasco

      Obrigado, Danilo!

  • Diego Medeiros

    Esse foi um dos melhores episódios do porteira! Foi fantástico colocar duas figuras com ideias diferentes para discutir. Os argumentos foram ótimos de ambos os lados.

    Eu ainda não decidi em que lado estou (se é que existe um lado). Apoio e desaprovo premissas de ambos os lados – tanto é que sigo no facebook o Caneta Desesquerdizadora e o Caneta Desmanipuladora. Como falaram no episódio: nem tudo é branco ou preto; há muito tons de cinza nessa história.

    • Oleno Petrere Ndox

      Mas isso é o mais importante, o meu mundo ideal não é aquele onde todos pensam como eu, mas sim aquele onde todos possam pensar como quiserem sem patrulha de nenhum dos lados.

  • Gradash

    Não sou de esquerda nem direita, sou Libertário. Tudo que quero é que um casal gay possa criar seus filhos na sua fazendinha e proteger sua plantação de maconha usando suas armas vendendo o excedente para um caixeiro ambulante sem o estado roubando eles.

    Imposto é roubo, e autoritarismo de qualquer nível é fascismo não importa o lado.

    • Oleno Petrere Ndox

      Tamo Junto. rs

  • Gradash
  • Darley Santos

    Enquanto escutava esse cast ficava lembrando da música A Revolta dos Dândis II, do Engenheiros do Hawaii:

    “Esquerda e direita, direitos e deveres,
    Os 3 patetas, os 3 poderes
    Ascensão e queda, são dois lados da mesma moeda
    Tudo é igual quando se pensa
    Em como tudo poderia ser
    Há tão pouca diferença e há tanta coisa a escolher
    (…)
    Esquerda e direita, direitos e deveres,
    Os 3 porquinhos, os 3 poderes
    Ascensão e queda, são dois lados da mesma moeda
    Tudo é igual quando se pensa
    Em como tudo deveria ser
    Há tantos sonhos a sonhar, há tantas vidas a viver”

    Essa distinção entre esquerda e direita em sua concepção rígida ficou datada, foi válida no passado mas hoje se mostra por demais simplória. O mundo mudou (tecnologia, ciência, organização civil), e esses conceitos tiveram que se adaptar. Mas é perceptível que esses mesmos conceitos ainda são, enquanto princípios basilares de fundo, válidos para se entender a complexidade das matizes políticas do mundo atual; são válidos como ponto de partida para se entender o debate entre os que defendem o Estado maciço e onipresente e os que defendem o Estado mínimo, e tudo o que há no meio disso tudo rsrsrs.

  • Victordelaisla

    To até com vergonha. É a primeira vez que comento aqui, depois de quase 2 anos de fidelização. Muito bom episódio, como todos com estes dois carinhas legais dos quais me sinto identificado com ambos.
    Já fui comunista da UJS, carismático da igreja católica, anarquista blackblock, neocon tea party friendly, social democrata tucanoide coxinha, petralha lulista mortadela. Já rodei o political compass nas suas longitudes e latitudes mais extremadas e estranhamente são muito próximas entre si. Acho o plano cartesiano proposto melhor enquadrado como uma representação esférica/geodésia onde os extremos tanto de esquerda como de direita se tocam em um ponto onde a definição é bastante mais difusa. Exemplo (se quer pageviews faça um podcast sobre o tema) nazismo é de esquerda ou de direta? ( não faça )
    Por tudo isso, hoje, para ficar o mais longe possível de qualquer extremismo, me considero de extremo centro.

    • Oleno Petrere Ndox

      Já fui tesoureiro de DCE e fui pra congressos da UNE e UEE, não que me orgulhe disso, mas fez parte do amadurecimento político pra mim sem sombra de dúvidas

  • Homero Luz

    De volta aqui depois de um bom tempo, então eu gosto bastante da abordagem do political compass, mas falando em esquerda e direita puramente, eu vejo as pontas, seja o liberalismo ou o comunismo muito lindos, mas na minha opinião utópico, e nesse momento o Oleno vai querer me matar, brincadeiras a parte eu acho que deve existir todo espectro de pensamentos mas não tem como mensurar o fator humano, em um governo que se dizia comunista, podemos só citar URSS já explica tudo, mas também o dizer que a liberdade econômica por si só seria boa, mas sempre tem seres humanos com suas ambições dentro de todo espectro politico do mundo.
    Um exemplo que vi pessoalmente no Brasil existe um liberdade parcial no preço de combustivel, o posto define o quanto quer cobrar, aumentando ou diminuindo seu lucro, mas aqui em Curitiba todos os postos equiparam o valor ao do posto mais caro uma semana antes de feriados voltando a sua variação de 30 centavos dependendo das bandeiras duas semanas após mais ou menos, não existindo fiscalização como evitar que vários setores façam esse cartel disfarçado? eu não sei como, tabelar também acredito que não seja uma opção já que quem tabelaria e um ser humano e ele pode ser e geralmente é corrompido. Agora comparando com o Uruguay, o combustível é tabelado, você escolhe o posto po qualidade de serviço só mas é muito caro em setembro desse ano custava o equivalente a 4,97.
    Quanto aos partidos no Brasil eu enxergo com muitos em um centrão fisiológico que para mim é repugnante, e poucos partidos verdadeiramente que sabem o que querem, para mim esses são da esquerda para a direita pstu,pcb, psol, psdb e novo. tem outros como pt, pdt, dem que muita gente sabe o que quer mas não existe uma identificação partidária o resto eu vejo muito como qualquer coisa. Quanto ao fato de existirem muitos partidos eu não vejo problema, mas eu queria ver partidos fortes, como eu acho que os partidos se reforçariam, voto em legenda para parlamentares e oas coligações somente a nivel nacional, por exemplo nas ultimas eleições presidenciais se existisse isso o Bolsonaro que saiu pelo pp teria que estampar um Dilma presidenta embaixo de seu nome , assim como a Ana Mélia Lemos do Rio Grande do Sul, pois para mim apesar de voto em lista eu acho interessante os membros da lista se apresentarem.
    Confuso eu sei e desculpem o textão.

    • Oleno Petrere Ndox

      Vou querer te matar não brother, como disse no cast, não tenho problema com vozes dissonantes, é muito mais importante pra mim que as pessoas possam ter opiniões, independente de quais sejam. :p.

      Mas só uma reflexão, não sei se podemos dizer que existe “certa liberdade” no exemplo dos postos que você citou pois o petróleo é monopólio do Estado e o preço é totalmente regulado pelo governo, então a tal margem que fica a critério dos postos é apenas a casca do ovo, a grande composição do preço está nos impostos e valores definidos pelo próprio governo.

      Abraço!

      • Homero Luz

        Obrigado pela resposta cara por isso citei “certa” e essa “certa e pequena” no exemplo de Curitiba é utilizada dessa forma, mas sim claro que sei que na refinaria e tabelado, o que pode mudar e transporte e lucro da distribuidora e posto e esses são igualados com o maior ao menos em todos feriados, ou seja se alguem de Curitiba está lendo abasteça antes do feriado, pois a uns três anos percebo isso por aqui.
        E tava brincando sobre matar Sri que VC e de boa.

  • Alan Rodrigo de Almeida

    Olá Randal. Já escuto seu programa a algum tempo (uns 6 meses mais ou menos) e resolvi tirar uns minutinhos para escrevê-lo.
    Achei excelente o nível da discussão deste episódio. Tanto pela contextualização histórica quanto pelos posicionamentos ponderados e relevantes em relação às
    questões atuais e futuras. Algo que valorizo muito na democracia é o
    instrumento da alternância. Um determinado grupo com uma determinada
    visão e ideologia tente a se desvirtuar quando muito tempo no poder.
    Aconteceu com o Fernado Henrique e com o a dupla Lula/Dilma e
    provavelmente vai acontecer de novo. Pode não parecer mas isso tem tudo a
    ver com a discussão. Infelizmente nosso modelo político provoca que em
    determinados momentos a maior parte das ações do governo sejam para
    justificar as próprias suas próprias ações e impede o país de avançar
    independente do viés político.
    Eu particularmente não consigo me
    definir nem como direita, nem como esquerda. Quando o assunto é
    liberdade (no sentido amplo) sou de direita. Acredito no ser humano
    livre como maior fator de sucesso de sociedade. Mas não acredito no ser
    humano livre sem justiça social. E não acredito que o “mercado” seja o
    melhor mediador das questões sociais. O estado precisa tratar das
    questões essenciais (Educação, Saúde e Segurança) com responsabilidade e parcimônia com o dinheiro do contribuinte. Outros assuntos devem ser cuidadosamente regulamentados pelo governo. E considero também o setor de energia muito estratégico para ser privatizado. Abraço.
    PS: Fiz esse teste no passado e fiquei quase no meio do espectro. Ou seja, não ajudou muito.