NPC 79 – Música

Randal Bergamasco 19 de julho de 2016 37
NPC 79 – Música

Reproduzir


Sobe o som, DJ! E está no ar, em alto e bom som, o nosso episódio 79! E no programa de hoje, Randal Bergamasco (@randalberga) recebe o eclético Arnon Rodrigo (@ArnonRodrigo), o versátil Sérgio Siverly (@CanalBotecoF1) e o vocalista da banda Distintivo Blue, Malforea (@malforea), para um interessante, apaixonado e divertido papo sobe MÚSICA. Afinal de contas, como podemos defini-la com palavras? Será que existe música boa ou ruim? Nesta edição, conheça melhor os gêneros musicais; debata conosco as infinitas “tretas” entre diferentes estilos; e afinal de contas, música eletrônica pode ser considerada música e DJ é um músico? Pois aumente o som e venha falar conosco sobre essa arte que coleciona admiradores em todos os cantos do planeta.

:-: NÃO QUER OUVIR A LEITURA DE E-MAILS? :-:
Caso não queira ouvir o “Correio da Roça”, pule para 12:47 minutos.

:-: SITES DOS CONVIDADOS: :-:
– Podcast F1 Brasil – Podcast onde Sérgio Siverly é integrante
– Canal Boteco F1 no Youtube
– Nossocast – Podcast onde Arnon é integrante fixo
– Troca o Disco – Site onde Malforea é colunista
– Distintivo Blue – Site oficial da banda

:-: COMENTADO NESTE EPISÓDIO: :-:
– [Pagode Japonês] Querido meu amor / Grupo Y-no (YouTube)
– Coreanos cantando Asa Branca (YouTube)
– Instrumentos Curiosos: Teremin (Troca o Disco)
– Tilha de “Black” – Micheal Giacchino (YouTube)
– O que é Reisado? Conheça brincadeira que comemora o Dia de Reis (Folha)
– Governador Jaques Wagner sanciona Lei ‘Antibaixaria’ na Bahia (G1)
– Troca o Disco #64: DJ também é músico (Podcast)

:-: PRÓXIMO NA PORTEIRA CAST: :-:
Previsão da publicação do próximo episódio: 10 de agosto de 2016.

  • Muito legal. Fiquei super orgulhoso por ter participado. Valeu o convite, Randal. Grande abraço, e conte comigo.

    • Randal Bergamasco

      Foi um prazer enorme! E o podcast ficou excelente!

    • Sérgio Dias

      Também adorei participar! 😀

  • Alex Rocha

    Grande Randal!

    Eu gosto muito de ouvir Rock, mas até os 15 anos de idade eu não me importava
    muito com música. O Rock me abriu as portas desse universo musical e posso
    dizer que hoje aprecio todas as vertentes do Rock e Metal. Dos mais pops
    comerciais até os mais obscuros. É muito raro eu falar mal de alguma banda.

    Mas não estou aqui para falar do Rock, mas sim de um estilo de música que
    particularmente eu não aprecio, mas que tem muito a ver com aquilo que foi dito
    no programa sobre “estar inserido no meio”. A música regional propriamente dita.

    Como eu já disse em outra ocasião, apesar de morar no Paraná, sou natural de
    Manaus-AM e lá tem um estilo musical próprio da região que é a TOADA. É ela que dá o ritmo à manifestação folclórica chamada Boi-Bumbá (aquela dos bois
    Caprichoso e Garantido, do Festival de Parintins).

    Cada “boi” lança todos anos um disco (ou álbum, como queira) de 12 a
    15 faixas inéditas cujas letras abordam o tema para o festival daquele ano.
    Mais ou menos como os enredos do Carnaval do Rio.

    A partir da metade dos anos 90 até o início dos anos 2000, a toada deixou de
    ser apenas música de trabalho sazonal para o festival e se tornou a música
    popular da região, tocada o ano inteiro. Era pedida nas rádios, em shows,
    tocava em festas… Dividia o espaço com o axé, este popular no Brasil na época.
    Com isso, surgiram vários cantores e bandas que gravavam músicas próprias desse estilo, tendo como principal representante a nível nacional a banda Carrapicho.

    Depois, até o momento, perdeu novamente a força popular e voltou a ser música
    de trabalho para o festival; sendo executada com mais força no período de maio
    e junho (vésperas do festival).

    Algumas dessas toadas, na época do auge, tornaram-se clássicos e são lembradas até hoje com muito carinho pelos amazonenses; sendo interpretadas por outros músicos em alguns momentos e aclamadas por quem ouve.

    Uma característica das toadas é que as letras – além do ritmo dançante com
    coreografias próprias – retratam a realidade do povo mais humilde do interior
    do estado (os famosos ribeirinhos), a fauna, a flora, as tradições amazônicas e
    indígenas.

    Um desses clássicos que todos de lá lembram é a toada “Lamento de
    Raça” do Boi Garantido, interpretada por David Assayag que é um levantador
    de toada (a pessoa que canta) bastante respeitado e admirado no Amazonas.

    Segue a música: https://www.youtube.com/watch?v=gL7i0cjeOqY

    Pra muita gente do Brasil, esse universo musical é desconhecido, mas faz parte
    de uma cultura própria e bastante admirada. Como disse, mesmo eu que não
    aprecio e nem tenho o hábito de ouvir, reconheço a importância que a toada tem
    para a cultura do Amazonas.

    Iria falar sobre outro assunto referente ao episódio, mas como me alonguei
    demais, fico apenas com a Toada!

    Forte abraço, Randal!

    • Randal Bergamasco

      Meu, eu confesso que nunca tinha ouvido sobre a Toada. Tá vendo? Gravando e aprendendo não só com os convidados, mas com os ouvintes também.
      Obrigado por expandir o assunto por aqui!

  • Gostaria de deixar este texto aqui (http://bit.ly/29YDP7h), sem tentar parecer rude, só p/ esclarecer que o Scott Stapp desmentiu as afirmações de que o Creed é Gospel.

    Scott Stapp: “I’m an artist who’s a Christian, because I don’t write music to be evangelical. Now, if that happens, it happens.”.

    *

    O contrário acontece muito também. Quando éramos adolescentes ouvíamos que “o Iron Maiden é uma banda satânica”, “666”, “diabo nas camisetas” etc., até descobrirmos, anos depois, que o baterista dos caras é cristão desde o final da década de 90.

    Um outro exemplo, mais recente, é o aparentemente contraditório baterista do Sepultura, o Eloy Casagrande, que toca também na católica Iahweh. É aparentemente contraditório porque, novamente, quando éramos crianças, uma vez o pastor da igreja nos mostrou o vídeo onde aparece um cara pregado numa cruz ao som de Arise, explicando que por isso a banda era claramente satanista.

    *

    Obrigado por esse cast sensacional sobre música. Um grande abraço e sucesso!

    • Randal Bergamasco

      Agradecemos ter ampliado a discussão aqui nos comentários.
      Valeu pelos fatos apresentados!

    • Sérgio Dias

      Que legal, Guilherme. As músicas, clipes e até o estilo da banda lembra muito o meio gospel, mas interessante saber que fui enganado todos esses anos! Vou processar os integrantes. Hahahahahaha. 😀 Abração, querido. 😉

      • Pois é! Na canção “The Great Divide”, a impressão é de que o Scott está claramente falando com Deus.

        “You set me free to live my life,
        You became my reason to survive the great divide!”

        Fomos todos enganados, haha abração.

  • Andre RDA

    Cast excelente, concordo com Randal a música é um dom nato, tenho exemplo em casa , meu filho se interessou por violão comum pouco mais de 7 anos, comprei um violão mixuruquinha achando que era fogo de palha, mas o moleque desenrolou sozinho hj toca guitarra, violão bateria, teclado e está querendo comprar acordeon. E graças a deus gosta de música de qualidade.

    • Randal Bergamasco

      Já fez a sua parte em incentivá-lo, André! Boa sorte pra ele!

    • Sérgio Dias

      Que coisa maravilhosa, Andre! 😀 #Palmas!

  • Sempre ouvi rock e pop mas um dia encontrei Vivaldi e resolvi checar, ouço até hoje, não sei que bruxaria é essa mas “The Four Seasons” me deixa muito feliz e empolgada, quando a música vai subindo de intensidade (não sei os termos técnicos), é muito bom, assim como esse podcast. <3

    • Randal Bergamasco

      “As Quatro Estações” é um caso a parte e confesso que esqueci de comentar sobre durante o episódio. Em cada estação, Vivaldi transmite exatamente a sensação de cada uma: o inverno e o outono são mais melancólicos e dá aquele sentimento das pessoas em suas casas; verão e primavera são mais vibrantes e alegres.
      Em termos atuais, “As Quatro Estações” é foda demais”!

    • Sérgio Dias

      Nossa, Ellen, você me lembrou de Gustav Holst – The Planets! Uma peça que passa por cada planeta e tenta recriar o clima de cada um! Se não conhece, vale a pena ouvir. 😉

  • Diego Camilo

    Excelente cast do melhor podcast do mundo! Um tema bastante denso e legal. Os participantes foram perfeitos nas suas análises (como dito no cast, música é uma coisa bem pessoal). Fui criado no sertanejo, mas qdo ouvi reggae pela primeira vez, não larguei mais! Vida longa ao NPC!

    • Randal Bergamasco

      Ainda bem que gostou, Diego! E falta muito pra nos tornarmos o melhor podcast do mundo, viu. Muito mesmo!
      Obrigado!

    • Sérgio Dias

      Vida longa ao Diegão! 😀

  • Arnon Rodrigo

    Uma honra participar novamente do NPC!

    O cast ficou muito legal e espero que todos tenham gostado assim como eu gostei.
    A gravação foi bem legal, e foi um grande prazer também conhecer pessoas tão legais como o Siverly e o Malforea.

    Randal, sempre que precisar estamos às ordens!

    Abraços! 🙂

    • Randal Bergamasco

      Foi um prazer enorme! E espero contar com você outras vezes. É um cara jovem e acrescenta muito a discussão!

    • Sérgio Dias

      Poxa, Arnon! O prazer foi todo meu! 😀

  • Muito bom o podcast pessoal! Eu toco alguns instrumentos, mas não considero “músico”. Digo isso porque teria muito o que aprender. Meu instrumento principal é a bateria, mas aranho violão e guitarra. Mesmo na bateria, a falta de prática faz com que eu fique limitado. Percebam que eu não disse “falta de tempo”, pois falta de tempo não existe. O correto é falta de “prioridade”. Ou seja, no momento, o estudo e aperfeiçoamento musical não é prioridade. Mas quando era, evolui bastante na bateria.

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

    • Randal Bergamasco

      Bem, seu nickname “TheDrummer” entrega sua habilidade.
      Aliás, tenho que dizer aqui também que meu lado “músico” sempre foi muito, muito limitado. Tocava o feijão com arroz, o básico.

    • Sérgio Dias

      Poxa, Eddie! Eu lembro disso também. Faz muito tempo que não toco bateria também, e quanto mais você pratica, mais você domina uma atividade. 😉

  • Yuri Motoyama

    Muito baummmmm !!!
    Achei interessante vocês tocarem na questão das músicas sacras. Por um tempo eu era praticante de Yoga e tinha uma banda de mantras. Desde a antiguidade os povos orientais usam-se da música para atingir certos tipos de estados mentais de concentração. No ocidente isso também acontece com as orações em forma de terços, existem pesquisas comparando a entoação de terços por freiras e a entoação de mantras por monges e o cérebro funciona da mesma forma. Acredito que as missas protestantes cantadas funcionam da mesma forma. Isso está associado a um tipo de êxtase que atingimos em certos graus de concentração que liberam substância que fazem nos “sentirmos bem”. Abraço pessoal!!!

    • Randal Bergamasco

      Faz sentido. E não há como negar que as músicas sacras, além do aspecto sobrenatural apontado no podcast, também transmite sim um sentimento de paz.

    • Sérgio Dias

      O que casa muito bem com aquele ditado de “quem canta, seus males espanta”. E isso é muito verdade! Se está se sentindo para baixo, cante e coma um pedaço de chocolate e já era! Talvez a música também ative a área do sistema límbico de alguma maneira. Vou pesquisar a respeito. 😉

      • Yuri Motoyama

        Coloco minha mão no fogo Sérgio que a música não envolva regiões limbicas. Não sei se todas, mas as que evocam emoções no indivíduo com certeza…pesquisa aí e nos conte os resultados!

  • Programa muito gostoso de ouvir. Teve momentos que senti que podia deixar as músicas continuarem. rsrs Parabéns aos convidados.

    • Sérgio Dias

      Foi muito legal de gravar também, Renan! 😀

  • Acabo de lembrar que escrevi um outro texto que caberia no início da discussão. Acabei até fazendo referências, sem perceber, rsrs.

    http://trocaodisco.com.br/2015/04/qual-a-importancia-da-musica-para-voce.html

  • OLucasConrado

    Legal demais o programa!

    Mas, pela primeira vez (eu acho), vou fazer uma crítica (construtiva). Em vários momentos do programa, o pessoal falou de algumas músicas e instrumentos. Tem até os links para poder ouvi-los, mas acho que seria mais legal colocar um trechinho dessas músicas no programa, mais ou menos como fizeram no final. Por falar nisso, minhas escolhas:

    Pro octógono: Aces High https://www.youtube.com/watch?v=Xg9aQvjMS60
    Pra viagem: Jet Airliner https://www.youtube.com/watch?v=mGF_0AcHaGs
    Pro churrasco: sertanejo. La na familia, os churrascos são regados a sertanejão de raiz ou mesmo universitário, mas não esse ostentação. Universitário tipo César Menotti e Fabiano ou Victor e Léo.

    Abração a todos e, mesmo com a observação lá em cima, episódio excelente!

    Lucas Conrado
    27 anos
    Agente de despacho (não faço macumba, faço check-in de passageiro mesmo)
    Rio de Janeiro

    • OLucasConrado

      Sobre Gabriel o Pensador, estava eu no banheiro do aeroporto essa semana quando olho pro lado e quem estava lá?

    • Randal Bergamasco

      Crítica aceita! Realmente, colocar um trecho com os instrumentos citados no podcast daria uma experiencia melhor ao ouvinte.

  • Edu Zanardi

    Sou muito crítico em relação ao tema – considerado chato e amargo pela maioria dos meus amigos, rsss. Sou daqueles que critica mesmo! Várias vezes, em mesas de bar, alguém vira e diz “adoro tal banda e vc?” daí respondo “uma M…” rs. Por isso achei o programa muito bonzinho, nice guy, existencial demais.

    Senti falta das músicas comentadas de fundo… Mas aí é matar o Randal na edição!

    Como adoro essas brincadeiras, listas etc…
    – Octógono: Can’t Get the Best of Me, Cypress Hill
    – Viagem: Runnin’ Wild, Airbourne
    – Churrasco: Jorge Ben

    Abs m/

    • Randal Bergamasco

      …. temos outro eclético aqui!