NPC 58 – Como deixar o Brasil

Randal Bergamasco 10 de abril de 2015 31
NPC 58 – Como deixar o Brasil
Reproduzir

Cansado de pagar seus impostos em dia e não ter de volta seus benefícios? Não aguenta mais a alta do dólar, o desemprego, a educação precária e a falta de saúde? E já está de saco cheio dessa guerra entre “coxinhas” contra “petralhas”, ou vice e versa? Seus problemas acabaram! Em nossa edição 58, Randal Bergamasco (@randalberga) e Alexandre Sacutti (@IzavanSacutti) recebem o “quase norte-americano” Igor Alcantara (@luzzifuge) e a “ex-chinesa” Tati Akamine (@tati_akamine) para ensinar você a imigrar do Brasil. Neste edição, conheça todos os vistos disponíveis para mudar-se para os EUA e como ir à China a trabalho; saiba quais as dificuldades de adaptação, o que há de legal e o que há de ruim em todo esse processo. E as crianças, como geralmente reagem ao contato com novas culturas? O que devemos ponderar ao tomar essa decisão? Isso e muito mais sobre algo que muitos brasileiros têm vontade, mas não fazem a menor ideia de como encarar essa drástica mudança.

:-: NÃO QUER OUVIR A LEITURA DE E-MAILS? :-:
Caso não queira ouvir o “Correio da Roça”, pule para 15:33 minutos.
ATENÇÃO: Tivemos problemas técnicos na gravação do “Correio da Roça” e o áudio teve a qualidade prejudicada. Pedimos desculpas pelo infortúnio.

:-: SITE DOS CONVIDADOS: :-:
– Made in China – Blog sobre a China que Tati Akamine escrevia
– Destemperados – Blog onde a Tati escreve atualmente sobre culinaria

– Igor Alcantara – Site pessoal de Igor Alcantara
– Temacast e Mundo Freak Confidencial – Podcasts onde Igor Alcantara participa

:-: COMENTADO NESTE EPISÓDIO: :-:
– NPC 06 – Negócio da China (antigo episódio com Tati Akanime)
– Estimativas populacionais de comunidades brasileiras no mundo (Itamaraty/IBGE)
– Perfil da diáspora brasileira: estimativas (Itamaraty/IBGE)
– No exterior, há 3.209 brasileiros na cadeia (O Globo)
– Imigrar para a Austrália (AustraliaBrasil)
– Tipos de Vistos e taxas de Vistos temporários (Embaixada dos Estados Unidos)

:-: PRÓXIMO NA PORTEIRA CAST: :-:
Previsão da publicação do próximo episódio: 30 de abril de 2015.

  • Olá Randal, Olá Sacutti

    Mais um programa interessante e gostoso de escutar. Como é sempre o praxe do NaPorteiraCast

    Morei 6 meses fora do país por conta de um estágio e senti uma pontinha do que todos relataram no programa.

    mas acredito que o mais provável quem sentiu foi minha esposa. Ela que é Argentina de nascença, morava em Buenos Aires e, curiosamente, até começarmos a namorar nunca tinha saído muito da Argentina.

    Apenas tinha visitado o sul do Rio Grande do Sul. Ela visitou o Uruguai algumas vezes, mas nem os próprios argentinos consideram Uruguai como outro país, e sum um lugar irmão.

    A partir disso, quando decidimos morar juntos, ela literalmente largou tudo o que tinha para vir morar aqui.

    Foram vários dias seguidos de choradeira de familiares, doação de roupas, móveis, pertences e etc para amigos e etc. Cancelamento de contas bancárias, TV a cabo, e telefone. Curiosamente na Argentina cancelar um telefone é impossível, e ela teve de colocar como pre-pago para ser desativado com o decorrer do tempo.

    A “dona patroa” mudou de mala e cuia, sem nem possuir documento nem nada. Para quem não sabe há uma politica de facilitação de legalização de pessoas do Mercosul. E, assim, em praticamente 5 dias ela já possuia Carteira de Identidade, protocolo de RNE (o RG para estrangeiro) e carteira de trabalho.

    Até hoje ela estranha alguns costumes, fatos e história do Brasil. Sempre nas viagens de volta para visitar os familiares, seja no natal ou outra data comemorativa é nítido como ela demonstra que sente saudade de Buenos Aires.

    Um fato triste aconteceu no ano passado, quando seu paí adoeceu e veio a morrer de uma doença degenerativa no sangue. Ela teve de voar para Buenos Aires e cuidar de um monte de coisas, e do pai dela no hospital. Como São Paulo é muito perto de Buenos Aires, foi fácil de eu mesmo pegar um avião até lá e acompanhar o velório a tempo.

    Mas fica a observação a quem deseja mudar para um outro país : há situações como esta que se você estiver longe pode não ter a oportunidade de se despedir de pessoas queridas.

    Um grande abraço a vocês e parabéns pelo trabalho

    Luciano

    • Randal Bergamasco

      Algo triste também aconteceu no início do mês passado com uma amiga nossa, Luciano. Ela mora na Nova Zelândia (a mesma moça que citei no podcast) e seu pai ficou muito, muito mal. Ela montou no primeiro avião com destino ao Brasil, e chegou para o velório. O pai dela faleceu enquanto ela viajava.
      Isso foi algo que faltou falarmos no podcast; qualquer coisa que aconteça, você nunca poderá estar em poucas horas perto dos seus familiares e amigos.

  • Zonatto

    Parabéns pela execução do cast, Randal. Está cada vez melhor. Sempre se superando.

    Sobre o processo de se obter a dupla cidadania (italiana no caso) não é tão simples, infelizmente. Apesar de ser reconhecido como um cidadão Italiano para o governo da Itália apenas por cumprir as exigências da descendências – e nisso entram as burocracias de qual o grau de descendência, se é por parte de homem ou mulher, data de nascimento e tudo mais – é necessário ter muita paciência.

    Dependendo de qual localidade se entra com o pedido de cidadania é preciso ser quase o Ghandi pra conseguir esperar. No Brasil o tempo varia de região para região mas dura em média de 4 até 30 anos para ser reconhecido.

    Eu, particularmente, tenho o direito de obter a dupla cidadania, mas confesso que o tempo e a burocracia sempre me impediram de ir atrás.

    Enfim, foi só mais um desabafo mesmo e para parabenizar o cast.

    P.S.: Acabei de me tornar também um patrono do NPC =)

    • Randal Bergamasco

      Eu poderia obter a cidadania italiana ou espanhola (sim, minha vó era Padilha e nascida em Granada, Espanha), até pensei nisso quando mais novo, mas nunca fui atrás.
      E seja bem-vindo ao nosso Patreon!

  • Ótimas dicas e informações. Conversei recentemente com um amigo que mora nos EUA e ele comentou sobre a questão de viver ilegal. Ele disse que existem estrangeiros que moram a 20 anos de forma ilegal. As pessoas acabam caindo em uma zona de conforto, pois dá pra ganhar bem com o trabalho disponível para quem é ilegal. Mas isso não compensa. Além de “viver com medo” de ser pego, essa pessoa não pode voltar para o Brasil (para o enterro de familiar, por exemplo), pois se quiser voltar para os EUA, após, ela meio que não pode mais. Então, o melhor é fazer tudo certinho.

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

    • Randal Bergamasco

      Olha, Eduardo, nossos convidados frisaram bem esse lance de viver na ilegalidade. Eu não iria pro exterior pra viver ilegal não, viu.

      • Ana Carolina Borges de Oliveir

        Meu tio viveu lá ilegal e até preso foi… ele não tem boas lembranças da época não viu.

        • Randal Bergamasco

          Seu e-mail está o próximo Correio da Roça, Ana. Não citei o caso da prisão porque não foi escrito na mensagem.

          • Ana Carolina Borges de Oliveir

            Oi Randal! Escutei hoje, você pronunciaram certo o meu sobrenome sim 🙂 Mas na verdade o sobrenome foi “herança” de casamento kkk é do meu esposo rs

            Eu não citei pq não sabia, tava comentando com minha mãe sobre o episodio (quando ela anda de carro comigo sempre pede para eu colocar o NPC, inclusive já pediu pra eu configurar o celular dela pra escutar, mas sou meio lenta em sansung e não descobri um app ainda) e ela comentou comigo.
            Ele é meu tio por casamento com a irmã da minha mãe, foi preso e “mandado de volta” pro Brasil.

            • Randal Bergamasco

              Legal saber que sua mãe também nos ouve! Quanto a apps para podcast, eu uso o Podkicker (mas está em inglês). Há várias opções mobile bastante, seja Android ou iPhone.
              E seja muito bem-vinda, nova Patrona!

              • Ana Carolina Borges de Oliveir

                obrigada =)
                vou colocar esse app então pra ela.

                obrigada pela dica!

    • Caraca, não tinha pensado por esse lado, o cara ilegal não pode sair do país se precisar por algum motivo, como você comentou ai “enterro”, muito tenso isso ai. Até pode sair, mas depois esquece tudo que ele “conquistou”, realmente um problema.

  • wagner

    Parabéns pelo programa Randall e cia. Eu sou casado com uma canadense e estou nesse preciso momento aplicando para o visto de residente permanente para morar no Canadá com minha esposa!

    • Randal Bergamasco

      Boa sorte, Wagner! E que dê tudo certo por lá.

  • Muito bom o programa!
    Tenho muita vontade de tentar algo no Canadá, mas a patroa por medo de não ter uma certeza do que vai acontecer por lá, pela dificuldade da linguagem acaba deixando de lado. De qualquer maneira o convidados exploraram bem a questão dos ilegais, que sempre tem a chance de dar problema. Gostei quando falaram dos pontos a favor e contra de se morar fora, nos mostra que o Brasil é muito atrasado numas coisas, mas em outras nem tanto.
    Muito obrigado pelo ótimo programa.
    Abraço

    • Randal Bergamasco

      O Canadá é uma referência no mundo em se tratando de qualidade de vida. Particularmente, eu preferiria me mudar para lá do que para os EUA.

  • Kleuber.SGDS

    NPC IMIGRACAO

    Mais uma vez um exelente episódio, além de informativo foi bem legal ouvir experiências de outras pessoas que já passaram ou passam o mesmo que eu, sendo um imigrante de carterinha.
    Como Goiano eu também não sei dizer porque imigramos tanto mais os motivos geralmente são sempre os mesmo de pessoas de outros estados brasileiros, acho que nós Goianos temos mais esse instinto de mudança até porque anos atrás Goiás não existia e muitas pessoas emigraram pra lá.
    Como disse sou Imigrante de carterinha, passei vários meses na França e não me adaptei, cinco anos em Portugal e mudei por causa da crise financeira, um ano e meio na Espanha do qual posso dizer que é o melhor país que já estive e agora faz 3 anos que estou na Inglaterra. Pretendo mudar? Sim mais dessa vez sair da Europa, acho que já conheci muito por aqui e o mundo é grande. Adoro lugares novos, culturas diferentes e não tenho tantos problemas quando se trata de ir pra outro país, até porque é sempre um recomeço, tudo novamente temos que começar do zero.
    Sobre documentação e legalização, sou do tipo que vai como turista e decidi viver no país dai tem sempre formas de se legalizar para ter resistência temporária seja por trabalho, estudo ou cônjuge.
    Bom acho que é isso e de uma coisa estou certo, amo meu Brasil mas não estou disposto a voltar, não por agora. Insegurança, falta de oportunidades e desigualdade social são só alguns dos motivos que não me faz querer morar novamente nesse pais que nasci e não escondo para dizer que sou brasileiro com muito orgulho e muito amor.
    Valeu por mais um episódio e que venha outros tão bom quanto esse!!!

    • Randal Bergamasco

      Uma pena não podermos contar com sua presença, Kleuber. Certamente acrescentaria muito ao podcast. Mas fica pra uma próxima.

  • ainda bem que o podcast não abordou política. Porque tem muita gente usou da saida do brasil,como motivo ‘para fugir’ da Dilma.

    • Randal Bergamasco

      Sim, foi nosso episódio mais longo, Rafael.

  • Rafael Oliveira Dos Santos

    Um podcast muito massa sobre brasileiros que moram ou moraram fora do Brasil é o “O Nome Disso é Mundo”. Uma das maiores qualidades desse podcast é fazer você desmontar preconceitos e estereótipos sobre alguns países.

    Indico fortemente.

    • Randal Bergamasco

      Eu conheço “O nome disso é mundo”, Rafael. Em se tratando de um podcast que mostra a visão brasileira do mundo, é o melhor produto nacional atualmente dessa área.

  • Diego Camilo

    podcast muito esclarecedor! a abordagem foi muito ampla e clara. a levada deste podcast é muito boa! Parabens!

    • Randal Bergamasco

      Obrigado, Diego. E se não ouviu ainda nossas edições anteriores, o faço. Se curtiu a levada, tenho certeza que vai curtir.

  • Ótimo episódio pessoal, parabéns! Ficou muito informativo, como sempre!

    Confesso que já pensei em sair do país, mas mais depois de ter me casado. Mas, a questão de ser transplantado é algo que me impede de tomar mais ações em relação a isso. Afinal, conseguir os remédios e assistência médica em outro país, como vocês bem comentaram no episódio, é algo mais difícil. Mas, é algo que aconselho a quem for mais jovem fazer, nem que seja por um tempo.

    Outro ponto muito legal, acho que é a questão de se envolver com a cultura. Falo até por mim os dias que consegui ir pra Londres no final do ano e fiquei em casa de família. Você conhecer pessoas de outros lugares e conviver com os locais é uma experiência incrível, algo pra vida mesmo.

    Obrigado amigos, abraços!

    • Randal Bergamasco

      Acredito que, quando você se hospeda na casa de um nativo, a imersão cultural é muito maior. E quanto ao fato de ser transplantado, caso se mudasse legalmente, acredito que poderia haver algum problema no início.

      • O principal problema são os remédios mesmo. Cheguei a me informar, mas é bem complicado. Deixei pra lá por enquanto, mas de repente um dia dá certo. 🙂

  • Diego

    Estou ouvindo agora, depois de uma maratona nesta semana. Ouço pelo iTunes e vou comentar sempre que puder, pois sou do interior (Bauru) e admiro o trabalho de vocês e, se esse é seus salários, faço questão de pagar.
    A maior vontade de sair do Brasil é devido ao país ser muito violento, pois não se pode sair na rua com celular na mão e ficar com medo, além da mentalidade do povo ser muito individualista e “lei de gérson”. A economia é algo que não gosto também, tudo muito caro e cheio de impostos. Sempre visei a Nova Zelandia.

  • Camila Laura de Melo

    Olá, sou nova aqui, mas gostaria de deixar meus parabéns. Há dois meses meu marido e eu nos mudamos do Brasil e viemos morar em Dubai, Emirados Árabes. Sempre ouvia músicas durante meus treinos, porém, estava cansada e aí joguei na internet “melhores podcasts” e aí vocês surgiram em algum blog que li. Como amo gatos, quando vi o tema já baixei e achei muito interessante que o tema seguinte foi justamente esse, como deixar o Brasil. Depois desses dois já baixei vários e todos os dias eu ouço vocês. Já os considero amigos. Gostaria de ressaltar também que depois que ouvi o podcast sobre Poliglotas, com certeza farei um esforço para aprender o árabe, já que larguei minha vida no Brasil, que seja para acrescentar alguma coisa. Um abraço a todos.

  • OLucasConrado

    Randal, vou fazer aqui um negócio que não costumo: comentar sem ter ouvido o episódio. Sim, até onde me lembro, não ouvi esse. Porque o tema não me interessou. Um tanto de gente me fala pra eu tentar ser comissário de bordo no Oriente Médio e não quero, não quero ir embora do Brasil.

    Vejo em você uma característica minha, o patriotismo. Você tem um negócio de destacar as coisas boas do Brasil que eu curto. Fica aqui a sugestão de tema pra episódio: as coisas boas do Brasil.

    Sei lá, a gente vê tanta gente falando mal do Brasil, tanta notícia negativa do país. Seria legal um episódio do Na Porteira Cast destacando as coisas boas do país.

    (Sim, meio que fizeram isso no episódio O Brasil segundo os estrangeiros. Mas seria legal arrumar brasileiros pra falar das coisas boas daqui. Me candidato)

    Que tal?

    Grande abraço!

    • Randal Bergamasco

      Eu aconselharia ouvir sim, não acredito que o episódio foi feito apenas para quem quer sumir daqui. Só pra constar, é um dos episódios mais baixados até hoje.
      Sobre a pauta proposta, nós já pensamos nisso. Vamos ver se em 2015 lançamos um episódio com esse tema.