NPC 50 – Planeta Água

Randal Bergamasco 30 de setembro de 2014 57
NPC 50 – Planeta Água
Reproduzir

Na edição de hoje, vamos mergulhar “de cabeça” em nosso tema. Em nosso especialíssimo programa de número 50, os anfitriões Randal Bergamasco (@randalberga) e seu companheiro de porteira Alexandre Sacutti (@IzavanSacutti) recebem biólogos Vitor Hugo “Seu” Mota (@vitor_hugo_mota) e Flávio Marteleto (@MarteletoFM), além do geólogo Juliano Yamada (@yamadactbageo), para falarmos sobre a ÁGUA. Por que esse líquido é tão essencial para a vida terrestre? Como ela atua nos seres vivos? No programa de hoje, entenda a importância da água no surgimento das grandes civilizações; saiba que a energia hidroelétrica ainda é a melhor solução para o Brasil; e junte-se a esse polêmico debate sobre escassez, poluição e como podemos aproveitar melhor esse líquido tão precioso não só para os seres humanos, mas para toda a vida no Planeta. Isso é só um pequeno gole do podcast de hoje. Então coloque sua roupa de banho e vamos “nadar de braçadas” nesse assunto interessante e alarmante. Quer participar? Deixe seu comentário no post, envie seu e-mail, tuite ou deixe algo no Facebook.

:-: NÃO QUER OUVIR A LEITURA DE E-MAILS? :-:
– Caso não queira ouvir o “Correio da Roça”, pule para 18:14 minutos.

:-: SITE DOS PARTICIPANTES: :-:
– Mitografias – Podcast onde participa Juliano Yamada
– Geek Talk – Podcast onde participa Flávio Marteleto
– O Chá dos Cinco – Site onde está hospedado “O Chá dos Cinco ” e “O Chá dos Cinco S/A” do Seu Mota
– Agência Transmídia – Outro projeto do Seu Mota
– Motim – Podcast onde Seu Mota participa

:-: COMENTADO NESTE EPISÓDIO: :-:
– WeCast para AndroidCLIQUE AQUI e faça sua doação
– Curiosidade da Água (Naturlink)
– Curiosidades sobre a Água (Núcleo de Tecnologia Educacional da Prefeitura de Foz do Iguaçu)
– De onde vem o oxigênio que respiramos? (Mundo Estranho)
– O problema da escassez de água no mundo (CETESB)
– Água doce e limpa: de “dádiva” à raridade (Socioambiental)
– Papo Lendário #82 — Chove Chuva (Podcast sobre o dilúvio)
– É verdade que existe uma mancha gigante de lixo plástico no oceano? (Mundo Estranho)
– Expedição vai explorar ‘continente de plástico’ formado por lixo no Pacífico (G1)
– Falta d’água em cidades tem a ver com devastação desenfreada da Amazônia
– Ponte sobre a represa Hoover é uma obra prima da engenharia (Tecmundo)
– Cd5 Sem Açúcar com Randal Bergamasco e Izavan Sacutti

:-: PRÓXIMO NA PORTEIRA CAST: :-:
– Previsão da publicação do próximo episódio: 20 de outubro de 2014.

  • baixando, depois volto para comentar… ou “FIRST” hehehe

  • Sobre a cerveja, falamos uma bobagem. A agua que é utilizada pra fazê-la é totalmente filtrada e refiltrada. Os especialistas em cerveja desmistificam essa ideia da água fazendo diferença pro sabor da cerveja. Abraço

    • Rodrigo Montalvão

      Acho que ouvi aqui mesmo no NPC que isso da água influenciar no sabor da cerveja era mito… pra ter certeza precisaria ouvir novamente o episódio 11, sobre cervejas. Abraço.

      • Exatamente!

      • Realmente, Rodrigo e Marteleto, foi uma tremenda canelada.

      • A questão da cerveja também foi comentada no Ultrageek sobre Cervejas, na realidade não muda nada! 🙂

      • Leonardo

        A água é importante para a produção de cerveja sim, ja que em torno de 90-95% da cerveja é água. O mito é que a agua precisa ser de determinada fonte. Hoje em dia, com o avanço da química, se consegue reproduzir a mesma água, pH, % de minerais, etc, em qualquer lugar do planeta.
        Agora, o cara que fala que a brahma de agudos é melhor que a brahma de outro lugar, precisa conhecer um pouco mais de cerveja. Brahma não é bom em nenhum lugar, e nem skol, nem original, nem itaipava, nem nenhuma desses tipos. Tanta coisa boa sendo produzida no pais artesanalmente. Vamos dar um pouco de chance para os produtos de qualidade. Abraços. E não perco um podcast de vocês.

        • Eu acho que está havendo uma elitização exagerada da cerveja no Brasil. Cervejas artesanais são boas? Sem dúvida, nem vou discutir. Mas está se criando uma “cultura de ódio” às cervejas nacionais populares que, sinceramente, não condiz com a realidade. São propostas diferentes e não concordo, as American Lagers tem sim o seu valor e não são tão ruins quanto meia dúzia dos chamados “cervochatos” pregam. Eu tomo Brahma, Skol, Sub-zero. Mas também gosto da Eisenbahn, Baden Baden, Colorado ou outras artesanais. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

          • A Internet tá disseminando a cultura do ódio Randal. Tudo é oito ou oitenta. Isso tá um perigo, por que é terreno fértil pra ignorância reinar.

  • rafaeltaira

    água é o que mais está em falta no estado de São Paulo.
    Acho esquisito. Se formos ver o Brasil tem 4 dos 20 rios ou bacias hidrográficas mais extensas do mundo então como o país poderia estar em crise de água? E uma dessas 4 bacias hidrográficas passa pelo estado de São Paulo que é a bacia do Rio Paraná.

    • Essa é uma pergunta que não tem resposta, Rafael. Ou até tem sim. Bem, a gente não pode deixar de considerar que estamos vivendo uma seca anormal. Em Pederneiras, por exemplo, mais de 600 pessoas perderam o emprego por conta do fechamento da hidrovia Tietê-Paraná. Eu nunca na minha vida vi esse rio tão baixo no interior de São Paulo.

      • Puxa, Randal, o desemprego aí chegou a tanto?

        Não ficamos sabendo disso aqui na Grande São Paulo.
        Parece que fazem questão de não mostrar pra gente o que acontece no interior….

        Ainda bem que com a internet, e os podcasts, temos a chance de conseguir estas informações.

    • Na verdade isso é uma tragédia anunciada há décadas e nunca levada a sério. Desmatamento,descaso para com as nascentes, pequenos rios…
      Aí esta semana anunciaram que a nascente do Rio São Francisco SECOU!! O maior rio totalmente brasileiro.

      É sim uma seca sem precedentes, e por isso classifico como irresponsável o posicionamento do atual governador de SP, que decidiu não fazer racionamento, não chamar os municípios do interior para uma conversa e não traçar um plano de emergência.. enfim, admitir que temos um problema e enfrentá-lo de fato, e com as tecnologias que já temos. Ficar negando 200 vezes que a situação está crítica é a minha maior crítica à forma como encaramos o problema em São Paulo.
      Todos sabemos que não choveu, que os rios estão secando.
      Mas é mais fácil fazer de conta que nada acontece. Afinal, temos água na torneira…

  • Como sempre, um excelente episódio!
    Grato por mais esta pérola.
    Gostaria, porém de opinar sobre o conceito de se estabeler o tamanho de usinas hidrelétricas. Para fins de “grandiosidade” elas são classificadas pela sua capacidade de geração de energia que é o propósito delas existirem e não pelo seu tamanho físico. Por este critério, a usina de Três Gargantas, na China, é a maior produzindo 22.500 MW com uma extensão 2.309 m, e a segunda Itaipú que produz 14.000 MW com seus 7.919 m de comprimento. Como se pode ver apesar da Itaipú ter o tamanho maior do que 3 vez o tamanho da chinesa, esta produz quase o dobro de energia.
    Esta observação é apenas para enriquecer ainda mais o episódio que, aliás, gostei demais, menos do bairrismo do Yamada (hehehe).
    Grande abraço

  • silvio bueno

    Oba Na porteira fresquinho vou ouvir ja, afinal estes podcast do na porteira sempre agregam algo relevante em nossos conhecimentos…..

  • Rodrigo Montalvão

    Oi, pessoal… mais um episódio excelente. Me deu até sede! Vocês tomaram mais água que o normal no dia da gravação? Isso sempre acontece comigo…

    Ouvindo sobre nossa dependência da água, e de como não suportamos mesmo alguns dias sem ela, lembrei-me de um episódio acontecido na década de 60 e que ficou conhecido como o Caso Milton Terra Verdi. Já ouviram falar? Aqui vai o link da Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Caso_Milton_Verdi

    Há uns 10 anos pude ler o livro escrito pelo Walter Dias (tio do Milton Verdi, segundo o mesmo artigo). É uma leitura bastante pesada, não recomendo a pessoas mais sensíveis, mas dá uma dimensão de como a água nos é fundamental. No fim do livro, como uma espécie de anexo, há fotocópias do “diário” original… é muito triste e angustiante pensar no que os dois passaram sem água e comida.

    Abraço!

    Rodrigo

    • Essa história é tensa mesmo! Caraca!

    • Eu não conhecia essa história, Rodrigo. Tive que pesquisar para saber mais. Muito sinistro. Mas realmente ilustra muito bem a importância da água em nossa sobrevivência. E olha que foi um exemplo extremo!

  • Olá Randall e Sacutti

    Mais um podcast muito, mas muito acima da média da podosfera mundial. Uma discussão no nível correto, sem se aprofundar em excesso ou pecar pela superficialidade.

    Enfim, levando para a questão do rendimento físico, e para o montanhismo e escalada a água e hidratação é fundamental para o bom rendimento do atleta.

    Por exemplo, no trekking que leva ao campo base do Aconcágua, que é considerado “fácil”, deve-se hidratar-se todo o tempo. Mesmo que a pessoa nao queira.

    A rotina dos escaladores de alta montanha,no K2 e Aconcágua faz parte derreter água todo o tempo. Pois sem água não é possível realizar nada, e acumula-se toxinas que podem matar o praticante.

    Dentro dos treinamentos de montanhistas e rescatistas de montanha é identificar se a vítima de algum acidente está desidratada.

    isso porque a desidratação causa confusão mental e passamos a tornar “menos inteligente”.

    Quando à beber a urina no caso de roubada TOTAL pode ser vista no filme 127 horas. No qual o protagonista aguentou ficar tudo isso sem se alimentar, mas bebia a sua urina.

    Um grande abraço a todos e parabéns pelo trabalho brilhante.

    • Agradeço aos elogios por tabela, e a hidratação é fundamental em esportes com alto rendimento mesmo! Muito bem lembrado!

    • Ta aí outro “exemplo prático” que mostra o quão importante é a água para nós, seres humanos.

  • O Sr. Seu Mota explicou magnificamente a TEORIA GERAL DO ESTADO.

    “É preciso haver uma Grande Agente Regulador” para limitar os abusos de direito, pois as pessoas são egoístas e pensam que “liberdade é poder fazer o que bem entender” sem se preocupar com as consequências ou com o direito dos outros.

    • Só me dá medo em pensar que é necessário algum tipo de regime totalitário para se conseguir isso. Particularmente, não me agrada essa ideia.

      • Primeiro é preciso definir o que seria um Estado Totalitário de uma atitude “totalitária” por assim dizer.
        Muitas vezes se confunde “Totalitário” com “Ditatorial”, ainda que na prática seja mera discussão semântica que implica em supressão de direitos e garantias individuais.
        Porém como foi falado no Cast ainda existe muitas pessoas que são egosístas ao extremo e não respeitam os direitos e necessidades dos demais membros da sociedade.
        Esse é o caso do uso irracional da água, que por sua vez é direito de todos. Assim para lidar com certas pessoas, infelizmente conscientização e diálogo não são suficientes para impedir que elas abusem de seus direitos individuais e acabem por ferir direitos de terceiros. É exatamente neste momento que o estado deve agir com firmeza, justamente para impedir que seja feita a justiça (ou vingança) privada que geralmente é desproporcional e ineficaz.
        Assim, muitas vezes uma ação coercitiva firme por parte do Estado não significa em absoluto um ação totalitária ou ditatorial, principalmente quando há consenso entre a maioria dos membros da sociedade e que esse consenso se baseia no bom senso e na razoabilidade.
        Neste ponto penso que o Seu Mota não foi feliz ao usar o termo Totalitário para ilustrar a questão. Acho que deveria ter usado a palavra “Firme” ou “Firmeza” para descrever a maneira como o Estado deveria agir com aqueles que egoisiticamente demonstram desprezo com os direitos dos demais membros da sociedade, principalmente no caso do uso irracional da água em situações se indisponibilidade deste recurso em razão de questões climática que fogem ao controle humano.

        • Exatamente Márcio. E isso em todos os ramos da sociedade.A intervenção do Estado deve sim ser feita sempre que possível e sempre que preciso, pra que o bem comum seja preservado. Pra fins de Justiça social é preciso que hajam regras e é pra isso que existem leis, normas todas reguladas b a tutela do Estado. Nossa sociedade é infelizmente inviável sem a intervenção de uma “entidade” superior que seja responsável por reger as ações sociais. Sem isso o egoísmo prevaleceria sobre a razão sempre.

  • Que cast massa! Não conhecia, mas já vou fazer maratona! Me agradou demais.

    Sobre a água, o que mais deixa a gente triste é o descaso do governo brasileiro para o problema. Há duas semanas, o Brasil recusou assinar um tratado para reduzir em 50% o desmatamento até 2020 e erradicar o ato em 2030.

    O curioso é que, no mesmo dia, a presidente Dilma palestrou na ONU falando sobre a evolução do país no processo do desmatamento. Grande mentira que foi totalmente desmascarada pela imprensa mundial, destacando a reportagem da BBC UK sobre o paradoxo discurso da presidente.

    É muito triste ver que o Brasil não se toca.

    Link para a matéria: http://www.bbc.com/news/world-latin-america-29338413

    • É como a galera deixou claro no podcast, Sérgião: de fato, as gerações do presente estão pouco se lixando para as futuras. Nossos netos e bisnetos estão ferrados.

  • Fala galera do Na Porteeeeira Caaast!

    Excelente programa pessoal, o trio parada dura, Juliana Yamaha, Marteleto Rádio FM e aquele pessoal lá, tem um dom incrível, fazer o tempo passar rapidamente sem o ouvinte perceber. Fiquei ouvindo o cast e quando percebi o Randal “faça o jabá” caraca, foi muito rápido e natural.

    Sobre o programa em si, eu venho falando isso a muito tempo. Eu havia escrito nos tempos de colégio, capítulos de uma história onde a 3ª Guerra Mundial seria causada pela falta da água, ainda estamos um pouco distante disso, mas logo se tornará um problema grave para todos. Tenho a sorte de morar em um lugar muito arborizado ainda e acho que isso ajuda a manter os níveis de chuvas constantes, amenizando por enquanto a falta de água. O que vem acontecendo em SP é muito triste e não vejo o cenário melhorar, vai chover, os níveis vão melhorar, seja no final do ano ou no ano que vem como comentou o Yamada, mas não vejo os reservatórios no máximo como estavam sempre, e isso vai começar a se espalhar pro interior e pra outras localidades, e as pessoas começaram a pensar em se mudar por conta da falta de água, gerando um novo desequilíbrio para as áreas migradas. É isso que o ser humano faz, gasta os recursos até acabar e se muda para um novo local, sem pensar antes nas consequências.

    Senhores, mais um NPC de altíssima qualidade, espero que bata os recordes de downloads. Valeu, abraço!

    Ps: Randal, porque não usar o Disqus por aqui e permitir subir imagens, links e outras “cositas mais” que ele permite?

    • Eu já li várias teorias que afirmam que a 3ª Guerra Mundial será causada justamente pela falta de água. Bem, vejamos no futuro.
      Quanto ao Disqus, particularmente eu acho que ele não incentiva a novos ouvintes a comentar, pois é necessário cadastro. Mas com o andar da carruagem, talvez seremos obrigados em adotá-lo. Deixando a qualidade de produtor para ouvinte de podcast, não gosto desse sistema. Vários servidores bloqueiam seu carregamento e não permitem acessá-lo por considera-la como uma rede social. Eu praticamente não comento mais em podcast nenhum que o utiliza, pois costumava escrever meus comentários no trabalho, em horários de ócio ou intervalos, e aqui é bloqueado. Penso que outros ouvintes podem ter o mesmo entrave.

    • Eu também acredito em guerra por causa de água, e pior, estaremos vivos pra ver isso. Principalmente por que nenhum lugar desse mundo políticas públicas sérias para a utilização racional de recursos naturais estejam sendo aplicadas em larga escala. É fundamental que o quanto antes nos voltemos pra esse problema.

  • Olá pessoal! Parabéns e obrigado por mais um programa fascinante. Sou um enorme entusiasta de ciência, e sempre fico feliz ao vê-la abordada em um dos meus programas preferidos. Um dos meus assuntos preferidos é justamente a Exobiologia, que tem muito a ver com a água.

    Sobre a água ser o meio líquido onde ocorrem as reações que permitem que a vida exista, há uma pergunta instigante: poderia haver vida baseada num meio líquido diferente? Há uma lua em Saturno chamada Titã, em que há mares, rios, chuvas, relevo e até mesmo nuvens, exatamente como aqui. A “pequena” diferença é que lá o meio líquido são hidrocarbonetos que são gasosos aqui na Terra (metano, por exemplo). Isso ocorre devido à temperatura muito baixa em Titã (180 graus negativos). Poderia esse tipo de ambiente permitir algum tipo de vida totalmente diferente da que conhecemos? Há missões a caminho para descobrir. Um fator limitante seria a baixa energia que essa lua recebe do Sol (apenas 1% do que a Terra recebe).

    Outra informação interessante sobre a água e a vida em outros planetas é que a água pode ser líquida em altas temperaturas, como 400 graus, desde que a pressão também seja alta (vide o gráfico da água em http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/33/Phase_diagram_of_water_simplified.svg )
    Nesse caso, um exoplaneta grande, com alta pressão atmosférica e perto de sua estrela poderia ter água líquida a altas temperaturas, podendo abrigar vida de uma maneira bastante diferente do que conhecemos.

    Desculpem se a viagem foi muito longínqua hehehehe

    Carlos Del Valle

    • Seu comentário me lembrou o filme “Europa Report”, no qual uma missão tripulada é enviada a Europa, um satélite de Júpiter, e um dos objetivos é procurar por vida extraterreste.

      • Muito bacana que você comentou sobre Europa, justamente um dos lugares que tem bastante água aqui no sistema Solar.

        Tenho a honra de ter visto Europa através do meu telescópio amador, junto com as outras luas galileanas de Júpiter (sim, meu fanatismo chega a tanto, apesar das nuvens curitibanas me sacanearem bastante)

    • Suas colocações estão corretíssimas e sim, muito se discute sobre essas possibilidades. E de fato não são impossíveis. De qualquer forma o tipo de vida encontrada em ambientes assim seria provavelmente muito diferente do que se encontra aqui. uma vez que as pressões seletivas encontradas nesses ambientes sejam diferentes das que encontramos no nosso Planeta.

  • Como eu já disse em casts anteriores, sou estudante de engenharia ambiental. A graduação
    em engenharia ambiental na UFF, de Niterói, dá também o título ao formando de engenheiro de recursos hídricos, portanto, esse
    é um tema com o qual eu tenho muito contato na faculdade. E um assunto que sempre é esquecido quando falamos da água é a
    importância das águas subterrâneas. Sempre falamos da poluição de rios e mares, da contaminações de efluentes, mas poucas
    vezes lembramos que as águas subterrâneas correspondem a 97% de toda a água doce disponível para consumo no planeta.
    Infelizmente, faltam especialistas nessa área. Outro grande problema é a constante contaminação dos aquíferos. Nossa legislação
    é muito fraca no que diz respeito a proteção de nossa águas subterrâneas, e a contaminação dessa água é de muito mais difícil
    detecção do que você bater o olho num poluído rio Tietê, por exemplo. Um exemplo disso, são as fontes naturais da cidade de Bonito.
    Cemitérios costumam ser construídos em locais de alta topografia, por questões religiosas. Infelizmente, esse é o pior lugar
    para contaminação. O chorume produzido na decomposição dos corpos cai facilmente no lençol freático, principalmente porque
    a nossa legislação não estabelece uma margem de segurança eficaz. Soma-se isso ao fato de que que normalmente os técnicos contratados
    vão em época de seca, e não fazem um estudo contando com a época das chuvas, quando o nível d’água subterrânea sobe. Resultado:
    toda uma cidade bebendo água contaminada por anos sem nem fazer ideia.
    Outra coisa a ser dita é a respeito de fontes de energia alternativa. O problema não está na difícil execução, mas na falta de
    investimentos. Mais de 50% da energia elétrica da Alemanha é gerada por painéis solares, e olha que lá nem é um país com alto
    índice de incidência de radiação solar. O que mais aprendemos nas cadeiras de sustentabilidade é que o problema não está na
    aplicação de novas tecnologias, mas na falta de um sistema econômico que incentive investimentos na área sustentável. E a base
    da sustentabilidade é a de que todo ser humano, incluindo os que estão por nascer, tem direito ao mesmo espaço ambiental, ou seja,
    a mesma quantidade de água, recursos não renováveis e renováveis.

    • A verdade incômoda é que o sistema capitalista de produção não é coerente com qualquer ponto de vista sustentável. O que impossibilita fortemente a implantação de políticas sérias de prevenção ambiental. O Capitalismo é a epitome da pensamento imediatista que reflete a sociedade. Qualquer coisa que por ventura possa retardar o processo de produção é vista como nociva pra economia, e isso é um problema pra qualquer governo.

    • Notamos que mesmo em pequenas coisas poluímos nossa água e, segundo você diz, nossos depósitos subterrâneos. Conforme o tom do programa, a questão da água tem que estar com o sinal de alerta ligado.

  • Aslanterna Verde

    Randal & Cia. O podcast de vocês realmente é espantosamente informativo, e de forma agradável, e com um sutil toque de humor. Esse episódio foi ótimo. Tenho experiência com ciência, nas áreas de parte dos convidados, e a temática da água já esteve em discussões que tive no passado. E o que posso dizer é que talvez esse seja o podcast mais informativo, sem ser maçante ou disperso, sobre esse tema. Posso dizer que talvez para um tema científico e socioambiental, é um dos melhores que já vi, e junto de outros episódios vossos, esse será guardado para que eu apresente a quem queira incitar uma discussão do tema, ou recomendar um podcast de assuntos gerais, sendo o de vocês de um equilíbrio fantástico.
    Aproveito para sugerir um programa sobre Lixo. Estou meio inspirado num filme que vi hoje (meu papo parece meio caótico, mas estou sem dormir a quase 40 horas. Muitos plantões em Oa), e quando escutava o podcast de vocês na volta para casa, apreciando a qualidade, veio a ideia de que seria fantástico ver esse tema, lixo, sendo discutido com a qualidade e a pluralidade de vertentes (social, científica, política…), porém com o equilíbrio que aprendi a apreciar e que me faz gostar bastante do programa de vocês. Tinha de sugerir…

    Agradeço muito o programa, e, tentarei comentar de maior posse de minhas faculdades mentais.. 😛

    Agora caminha, tô chegando… (para ficar apenas umas horinhas >.<)

    • Tendo participado do programa, quero agradecer aos elogios e reforçar que o Na Porteira é para mim um dos podcasts mais informativos que temos no Brasil. Foi uma honra ter participado mais uma vez.

    • Ótima sugestão de pauta, já está anotada. E confesso que seu nickname me causou risos! Obrigado e continue a nos ouvir.

  • Daniel Lopes

    Rasgar seda é um mote principal quando venho comentar aqui, fica até piegas, mas tenho de ressaltar (mais uma vez) o quanto o NPC é estupidamente FODA!

    Mais uma vez provou que este time está mais que aprovado.

    Quando falaram da grande vantagem das Hidroelétricas em relação às outras formas de captar energia, lembrei de uma palesta que tive semana passada, exatamente logo após ouvir este maravilhoso episódio.

    A Palestra foi do Gerente de desenvolvimento da State Grid Corporation of China, a maior empresa energética do Mundo. Nesta palestra o Liu Xiang falou dos grandes problemas que as Ditas “fontes Alternativas” deixam para trás, um
    O rastro sujo da energia limpa.

    Ele falou que o impacto a,biental das usinas eólicas e Solares são terriveis, principalmente na fauna local. Usinas eólicas trituram pássaros e acabam com a vinda Insecta ao redor e as usinas Solares Fritam Pássaros e insetos voadores causando impacto terríveis tanto na flora quanto na fauna. Já as indústrias do etanol causam desmatamento para plantação de cana de açúcar. Porem há uma luz no fim do túnel, poi o Google está desenvolvendo uma tecnologia de captação limpa da energia solar sem impacto ambiental.

    Um grande abraço e parabéns , mais uma vez pelo Fenomenal episódio.

    • Quantos elogios! Valeu meu nobre! Tudo que fazemos causa impacto, direto e indireto. Os biólogos tem por meta minimizar esse tipo de impacto e informar a população. Ao menos os biólogos sérios. Por isso sempre que o Randal chama eu venho eheheheh. A energia é necessária pra manutenção da nossa sociedade e é preciso chegarmos a um balanço entre as nossas necessidades e a manutenção da biosfera.

    • Taí o preço da “energia limpa”. A humanidade tem muito o que se desenvolver nesse campo ainda.

  • Preciso elogiar?

    Programa de utilidade pública, simplesmente incrível! Deviam passar isso nas aulas para crianças, para se tornarem adultos conscientes. Parabéns mais uma vez! E que equipe incrível, hein? Aí fica fácil!

    Abraços!

    • Valeu Igor! Estamos aqui pra informar e divertir! Como falei pro Randal, esse foi um dos melhores programas que já participei, e pra mim está entre os 10 mais informativos que já ouvi! Me orgulhei muito de ter participado.

    • Se 1% dos ouvintes entenderam o recado e o passarão pra frente, nosso objetivo foi 100% alcançado.

  • Vinni Salles

    Randal, tudo bem ! Gosto muito do seu podcast, sempre que posso (ter tempo rsrs) eu ouço.

    Nesse cast, descobri (eu ja desconfiava, pois voce em um outro cast comentou) que voce é CADISTA rsrs eu tb sou ! Hoje na verdade trabalho com modelamento 3D.

    Mas o que eu gostaria de comentar, é um assunto que sempre aparece em botecos, e foi comentado nessa cast.

    “O tipo de água altera o sabor da cerveja ?”

    R: Atualmente (seculo 20 rsrs ) NÃO !

    Leia essa matéria da super. Os processos de filtragem de qualquer fabrica de cerveja, “limpa” ate uma água de sarjeta.

    http://super.abril.com.br/alimentacao/agua-muda-gosto-cerveja-730287.shtml

    Um abraço! e Parabéns pelo cast !

    • Fizemos essa errata no “Correio da Roça” do episódio posterior (que já está no ar). Mesmo assim, obrigado pelo link e pela informação.

  • Não sei se é preciso dizer, mas foi mais um excelente episódio! Sou fã de programas científicos e com esse time de primeira, fica melhor ainda!
    .
    Aliás, senti falta do atleticano Marteleto falar sobre o Ronaldinho Gaúcho pedindo água para o Rogério Ceni na Libertadores do ano passado! hehehehe
    .
    Cara, a situação tá feia em São Paulo, mas lá em Minas não tá muito diferente não…
    .
    Fui a Capitólio no começo do ano, antes da crise se agravar. A cidade fica às margens da Barragem de Furnas, uma das maiores do Brasil. O nível da água deveria estar 10m acima do que estava. Era assustador. Fico imaginando como está hoje.
    .
    Furnas fica num rio onde estão outras represas mais abaixo. Então, eles não podem fechar as comportas, já que promoveria um desabastecimento em outras hidrelétricas que abastecem Minas, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná, eu acho.
    .
    Sou de Carmo do Cajuru, uma cidade que também tem uma hidrelétrica em seu território (hidrelétrica de Cajuru). Já vi ela seca outras vezes, mas nunca como está nesse ano. Vou mandar os links para fazer uma comparação entre o nível da barragem alguns anos atrás e hoje.
    .
    fevereiro de 2009, época quando a barragem costuma ser mais seca normalmente: http://www.panoramio.com/photo/19437855
    .
    julho de 2014, quando o nível deveria estar mais alto: http://instagram.com/p/rfhgTtyEMq/
    .
    É assustador e triste ver como as coisas estão. E para onde se encaminham. O pior é ver os governos se mexendo pouco para reverter essa situação…
    .
    Lucas Conrado
    Jornalista e podcaster do Papo di Minero
    Rio de Janeiro

    • Já ouvi relatos “animadores” afirmando que, para os níveis voltarem ao normal, levará pelo menos quatro anos. Isso se nesse período tivermos chuvas acimas da média em alguns momentos.

  • Felipe Sacramento

    Olá, gostaria apenas de informar que não estou conseguindo ouvir esse episódio.
    Talvez precise de um novo link.
    Parabéns pelo ótimo trabalho.

    • Randal Bergamasco

      O link estava quebrado, Felipe, o problema foi resolvido. Muito obrigado por relatar a dificuldade, pois nunca saberíamos desse contratempo.