NPC 34 – Podcast e outras mídias

Randal Bergamasco 6 de novembro de 2013 70
NPC 34 – Podcast e outras mídias
Reproduzir

Bom dia, boa tarde, boa noite! Ouvintes de peso, uni-vos! Estamos começando mais um Na Porteira Cast! E em nossa edição de número trinta e quatro, nós comemoramos dois anos no ar! E para esse programa, os anfitriões Randal Bergamasco (@randalberga) e Alexandre Sacutti (@IzavanSacutti) recebem as ilustríssimas presenças de Luciano Pires (@lucianopires), Eduardo Sales (@eduardo_sales) e Thiago Miro (@ThiagoMiro), que falam sobre o podcast e as outras mídias. Nesta edição, descubra por quê estamos na frente.  Nós somos uma evolução do rádio? A internet vai matar a televisão? Descubra como as mídias tradicionais tentam se adaptar às novas tecnologias; compreenda como a gravação numa simples câmera/microfone pode fazer tanto sucesso; entenda o que é conteúdo “on demand” e por que ele é a bola da vez. E nós listamos cinco diferenças básicas do podcasts com as mídias tradicionais. Então, pegue seu chapéu de aniversário, assopre sua língua de sogra, toma seu pedaço de bolo e vamos conhecer mais sobre a maravilhosa evolução que os meios de comunicação sofreram nesse início do século XXI. E PARABÉNS AO NA PORTEIRA CAST!

:-: NÃO QUER OUVIR A LEITURA DE E-MAILS? :-:
– Caso não queira ouvir o “Correio da Roça”, pule para  19 min. 05 sec.

:-: SITES DOS CONVIDADOS: :-:
– Portal Café Brasil – Site do Luciano Pires
– Papo de Gordo – Site do Eduardo Sales
– Telhacast – Portal de podcasts do Thiago Miro
– Os Comentadores – Podcast do postal Telhacast citado por Thiago Miro

:-: COMENTADO NESTE EPISÓDIO: :-:
– Por que o podcast brasileiro é inferior ao americano (Telhacast)
– Aerocast
– Avecast
– Suinocast
– YouTuner
– PodPesquisa: Resultado Final (2009)
– O que são Feeds? (TecMundo) *Obs.: O Google Reader foi descontinuado.
– Coca-Cola vai colocar músicas do Rock in Rio nas Latinhas (Exame) *Obs.: Promoção já finalizada.

:-: PRÓXIMO NA PORTEIRA CAST: :-:
– Previsão da publicação do próximo episódio: 30 de novembro de 2013

  • First!

  • Eu gostaria de agradecer a minha mãe , minha avó, meu avô que me incentivaram muito a ser o maior participante do NaPorteiraCast.

    E um beijo especialmente pro Randal e pro Sacutti.

    • Tá rápido no gatilho, hein? Eu nem tinha atualizado o feed ainda e você já comentou! Hahahahaha!

  • Olás!

    Não escutei o episódio ainda, mas vai lá:

    PARABÉNS MENINOS DO PORTEIRA!!

    2 anos não é pouca coisa não!
    A maioria dos podcasts, e empresas, dificilmente dura por tanto tempo.
    Vocês estão melhores a cada dia e espero ansiosamente por cada episódio novo.

    Abraços

    • A gente agradece a você, Nilda, que em todos os episódios passa por aqui pra ampliar o assunto do episódio. Valeu!

  • Washintgon Luiz

    Olá povo da roça, acabei de escutar o cast e vim correndo para comentar.

    Vou contar como conheci vocês, foi através do Podflix, que descobri em uma das minha pesquisa na Web atrás de novos podcasts, o site funciona como uma Netflix de podcasts.

    É só entrar no site escolher o programa e dar play, ou se preferir pode baixar, é excelente.

    Desde quando ouço podcast a mais ou menos 3 anos, sempre pensei de como seria bom se existisse um site que centralizasse todos os meus programas favoritos e hoje existe não sei de quem foi a ideia e nem como foi possível já que não ouço ninguém recomendando nos mesmos programas que estão lá. Acho estranho.

    Gostaria de dizer também que faço minha parte, recomendando o podcast para quem ainda não conhece e é claro que o NaporteiraCast está entre as minhas primeiras recomendações.

    Um abraço, muito bom o cast,

    • Recomendar seus podcasts preferidos para seus amigos é uma contribuição enorme para a popularização da mídia no país, Washington. Quanto a ferramentas como o Podflix e o YouTuner, elas fazem sua parte na questão de divulgar não só o Na Porteira Cast, mas toda a podosfera nacional. Bem, reconheço que não é com frequencia, mas quando é possível recomendarmos ambos os sites divulgadores de podcast, nós recomendamos sim. O que falta realmente é a mídia crescer mais no Brasil.

    • De fato o Podflix é muito bom também. Pena que eu não o conhecia bem na época da gravação ou teria mensionado.

    • Esse é o objetivo principal. 🙂

  • Olá, conheci vocês através de uma citação que eu ouvi no Pauta Livre News há muito tempo atrás, fiz a maratona e agora acompanho fielmente.
    Vocês sempre foram muito bons e melhoram cada vez, com episódios interessantes e muito informativos, com humor na medida certa e se nota que vocês fazem isso com muita paixão.
    Parabéns e vida longa ao cast, vocês merecem o sucesso que fazem!
    Abraços. Reginaldo 31 anos — Cambé-PR

    • Obrigado pelas palavras, Reginaldo. E pode ter certeza, o Na Porteira realmente é feito com muita paixão! Continue nos ouvindo e valeu!

  • Muito bom o programa,
    Estão de parabéns.

    Abraços,
    Nicolas Yuri

    • Obrigado, Yuri. Caso não tenha ouvido nossas edições anteriores, vá lá, cara!

  • Henrique Salem

    Olá pessoal do NPC !

    Parabéns por mais esse cast !

    Sobre o tema , torço tbm pelo crescimento dos Podcasts , mas ao mesmo tempo , temo que com muita inserção de publicidade , dinheiro e apoios de outras mídias como grandes emissoras de radio e TV , os Podcasts acabem por se tornarem veículos de comunicação igualzinhos a estes . Ou seja :
    _ Linha editorial da programação e de todo jornalismo engessado acerca de vários temas de acordo com os interesses políticos , econômicos e empresariais (o chamado “rabo preso”) .

    Gosto muito do jeito como os Podcasts são hoje , com liberdade pra se falar quase tudo , sem precisar bajular ninguém com segundas intenções , um bate papo descontraído puro …. apesar de eu perceber que um ou outro infelizmente já esta contaminado com o vírus da “Vénus Platinada” , onde ele acha que assistindo o Jornal Nacional estará super bem informado , ou ser entrevistado no Jô irá lhe conferir muito prestígio ….

    Sei que para se crescer ,um bom plano de marketing , investimentos e algum apoio político e/ou empresarial se faz necessário , mas sinceramente não sei como conciliar tudo isso a um trabalho honesto onde todos os participantes possam opinar com isenção e liberdade . Enfim , algo bem complicado mesmo ….

    • Sinceramente, espero que a consolidação dessa mídia onde estamos inseridos seja diferente, Henrique. O Podcast – assim como os blogs e vlogs – tem maior liberdade editorial. Bem, na verdade, vemos que a publicidade já tem influenciado sim o conteúdo de alguns podcasts. Será que vamos ver com bons olhos um podcaster que sempre “meteu o pau” no Android se sujeitar a fazer publicidade exatamente para um aplicativo dessa plataforma? Bem, por enquanto, esperemos os capítulos posteriores dessa novela chamada podosfera nacional.

    • Henrique se lembre que para produzir um podcast não precisa de praticamente nenhum recurso. Ao passo que teremos podcasts similares a um programa da tarde, atochados de comerciais, teremos também podcasts de menor porte produzindo um conteúdo de igual ou superior qualidade.

  • Ronaldo Santos Pereira

    Randal, parabéns pelo podcast, muito instrutivo, principalmente para quem deseja começar um, ao convidar o Dudu Sales, Thiago Miro e o digníssimo Luciano Pires, para falar sobre essa mídia tão querida de todos nós. Também acho que o podcast deve amadurecer mais ainda e chegar em lugares mais profundos da sociedade brasileira. E necessário mostrar aos investidores que há um imenso público potencial que justifica o investimento nessa grande ferramenta de comunicações. Abraços a todos vocês

    • Sabemos que apenas alguns podcasts no Brasil são monetizaveis a ponto de seus produtores viverem apenas com isso. Nosso objetivo no momento é de “polinização” (termo que o Luciano usou brilhantemente no podcast), ou seja, de divulgação da mídia. Os resultados podem aparecer no futuro. Ou não.

  • Quero começar esse comentário com um agradecimento. Vou confessar, não lembro como cheguei no Na Porteira Cast. Sei que tava cansado da tríade Nerdcast, Rapaduracast, MRG, queria conhecer outros podcasts. Ouvi o Na Porteira, gostei bastante, dele eu conheci o Telhacast e do Telha, descobri um verdadeiro universo. Já viu aquelas histórias de ficção científica que a humanidade de repente se encontra cercada de civilizações alienígenas fascinantes? É mais ou menos como me sinto, quando lembro de quando descobri vocês e de vocês vi um universo de podcasts.
    .
    Acho que a característica mais legal do podcast é que ele realiza o que a televisão tanto propagandeia. O podcast promove a real integração nacional.
    .
    Abordei esse assunto aqui certa vez e, sem medo de ser repetitivo, gostaria de comentar ele novamente. As emissoras de TV sempre dizem que realizam a integração nacional por meio de suas redes. Discordo. Elas realizam, sem querer fazer um julgamento de valor, uma imposição nacional. Por mais que mostrem coisas que acontecem nos quatro cantos do país, praticamente todos os programas de circulação nacional são feitos em São Paulo e Rio de Janeiro. Temos o Vrum, do SBT, que é feito em Belo Horizonte – que também é Sudeste. Tirando o Vrum, não consigo me lembrar de nada da TV aberta que é feita fora dos dois estados.
    .
    O podcast não. Você e o pessoal do Nossocast em São Paulo. Eu gravo o PdM com uma galera de Minas. Thiago Miro no Recife. PH Santos e Jurandir Filho no Ceará. Léo Bruski, Diego Lokow e Marcelo Zaniolo em Santa Catarina. Jadson em Goiás. Dudu Salles em Salvador… e por aí vai. Tem o pessoal do Papo Filosófico em Manaus, tem podcasts de grande qualidade sendo feitos em todos os cantos do país.
    .
    Não basta ser feitos em diferentes estados. Eles dão as visões locais sobre tudo. Promovem essa interação interestadual (inclusive vista nesse episódio) que não vejo outras mídias promoverem. Com raras exceções, realizam esse intercâmbio cultural interestadual que quebra preconceitos.
    .
    “Vida inteligente no interior do Brasil”. Vocês aí de Pederneiras, com assuntos atuais, opiniões pertinentes e bem construídas, aposto que quebram o preconceito que no interior só tem jacu.
    .
    Por mais que muitos programas de televisão tenham até uma boa intenção de realmente integrar o país, mostrando diferentes realidades, geralmente são feitos por repórteres/equipes enviadas dos grandes centros. Eles vão dar uma visão de forasteiros. Não vão mostrar a alma dos povos como um “nativo”.
    .
    Esse é um dos maiores trunfos do podcast pra mim. Dentre os que vocês não destacaram, é o maior. O podcast dá voz a diversas pessoas e realidades diferentes.
    .
    Aliás, posso alongar um pouco mais esse comentário? A UFMG tem um projeto muito legal chamado Vozes do Vale. De tempos em tempos, bolsistas da faculdade de Comunicação Social (não sei se outros cursos também participam) viajam por cidades do Vale do Jequitinhonha, no norte do estado. É a região mais pobre de Minas. Eles vão de escola em escola ensinando as crianças dos locais a criarem seus próprios podcasts. É uma estrutura bem mais simples que a nossa. Os podcasts deles são gravados totalmente offline. As crianças passam por uma oficina de edição e tal e, no fim do projeto, apresentam seus programas. Esses programas são disponibilizados pela internet (depois descubro o link) e pela Rádio UFMG Educativa.
    .
    Olha aí que legal! Quem está em Belo Horizonte, por exemplo, pode ouvir na rádio um conteúdo produzido pelas crianças no norte do estado e conhecer uma realidade que eles nem imaginavam que existia. Sabem o que tá acontecendo por lá melhor do que saberiam se a Globo ou o SBT (ou Alterosa se preferir) fossem até lá para fazer uma matéria. É por essas e outras que sou apaixonado por podcasts!
    .
    O comentário ficou gigantesco, mas é isso aí! hehehe
    .
    Abração e muito sucesso.
    .
    Espero poder participar de um NPC um dia!
    .
    Lucas Conrado
    24 anos
    Repórter e podcaster do Papo di Minero
    Rio de Janeiro

    • Sinta-se a vontade em escrever o quanto quiser, Lucas! Como diz aquela nossa vinheta do Correio da Roça, “aqui é você quem fala”. Se gosta de falar muito, escreva muito!
      Realmente, o lance da integração é algo que não destacamos no programa e totalmente real. Aliás, vou guardar sua frase: “Acho que a característica mais legal do podcast é que ele realiza o que a televisão tanto propagandeia. O podcast promove a real integração nacional.” Brilhante!

  • Olá amigos do Na Porteira, tudo bom?

    Em primeiro lugar, parabéns pelos 2 anos!

    Vocês mais que se consolidaram na podosfera e merecem todo o reconhecimento que já tem (e vão ter ainda mais). Saibam que adoro a forma como vocês sempre se reinventam a cada programa, com um estilo único e informativo, mas explorando temas cadas vez mais diversos. É um dos meus podcasts preferidos, com toda a certeza.

    Sobre o programa, que convidados de peso (não, não foi piada com o Dudu). Já sabem que adoro qualquer discussão sobre a mídia e esta aqui foi excelente.

    Interessante pensarmos a época de transição que vivemos, não é? O próprio podcast vem desta revolução cultural e tecnológica que estamos passando.

    O que mais me anima a ouvir podcasts, além da variedade de temas e facilidade de receber a mídia (esta característica do feed é algo surpreendente) é a possibilidade de fazer outras coisas ao mesmo tempo. Confesso que nem para o Youtube tenho esta paciência, de parar e assistir algo, mas com podcasts posso fazer isso em qualquer lugar, seja no trabalho, no trânsito ou até lavando louça em casa. Acho que por isso que sou tão apaixonado pela mídia assim.

    Porém, entendo, que assinar podcasts não é algo fácil de ser entendido pelas pessoas. Uso até a minha esposa, como exemplo (e olha que ela tem iTunes, que na teoria é até um pouco mais fácil). As pessoas não tem este costume, não conseguem entender muito bem esta questão de “assinar um feed”. Concordo com o Luciano, falta alguém criar algo que assine automaticamente o que você bem entender, facilitaria demais!

    Bom, é isso. A mídia tem muito a crescer! Já sabem que vou ficar de olho, tanto na torcida quanto ajudando no que eu puder para que isso aconteça (e acompanhando o Na Porteira, como sempre!). Ah! Obrigado por mencionar os Os Comentadores!

    Abraços!

    • Acho fantástico o fato de vivenciarmos essa transição, Gudima. O que realmente está em volga é o conteúdo sob demanda – e podcast é completamente fruto dessa evolução. Eu particularmente também assisto muita coisa pelo YouTube – vai de Nerd Office, Cauê Moura, Irmãoes Piologo e Canal Nostalgia – além de vários programas de TV.
      No caso do feed, o próprio relato do Luciano aqui pode gerar alguma solução para falicitar ainda mais os assintantes, pode apostar. É como plantar uma sementinha para a ideia se propagar.

      • Eu tb acho excelente! É muito bom! E sim, ter o conteúdo sob demanda é a melhor característica da mídia mesmo.

        Vamos torcer, quem sabe não surge algo legal!

        Ah, desculpe, pelo negrito, fiz errado! Rs…

        Abraços Randal!

  • Parabéns pelo episódio!

    Discutir a mídia é bem importante mesmo.

    O que mais gostei foi na discussão não falar de podcast como somente um áudio baixado via feed. Interessante essa ideia do comentário com os ouvintes ser parte do que é Podcast. Gostei mesmo dessa discussão

    Tudo de bom a todos!

    Tiago (Especialista)
    http://randomcast.com.br

    • Essa foi nossa intenção, Tiago: DEFINIR o que é podcast. Como a gente disse no programa, é comum vários meios de comunicação da mídia tradicional disponibilizar seu conteúdo num feed e este já é identificado como podcast. Será que é isso mesmo?

  • Cristiano D. Ribeiro

    Parabéns e vida longa ao NPC.

  • Fabio Aguiar

    Parabéns sou ouvinte novato ouço voces a alguns meses, esse episodio foi excelente a discussão foi em alto nivel, a qualidade dos convidados ajudou bastante.Voces ganharam mais um ouvite fiel pois tenho certeza que essa e a qualidade padrão do NPC.

    • Chegou agora? Escute os episódio anteriores. Tenho certeza que vai curtir!

  • jo

    oi

  • jo

    Ouço voces DESTE Episódio 03

  • Vim aqui deixar os meus parabéns pelos 2 anos de atividades e pelos excelentes temas abordados. A edição também é de primeira linha.

    Sobre o podcasts gostaria de comentar sobre a questão da monetização / publicidade nos podcasts.

    Já há algum tempo parece que a rejeição pública em relação à certos produtos e serviços e principalmente certas iniciativas de markting é casa vez maior.
    Isso se aplica também aos podcats, mesmo que inconscientemente (por parte dos ouvintes) e não posso deixar de citar apps grátis com publicidade intera ou “in app purchase”, sites e blogs que inundam sua tela com propagandas indesejadas / não solicitadas.
    Especificamente sobre os podcasts parece reinar no inconsciente coletivo dos internautas que o que está na rede é / deve (ou deveria) ser gratuito e livre de publicidade.
    Mas por que isso ? No caso do podcasts talvez pelo modo como a coisa começou aqui no Brasil, com um bando de Nerds produzindo conteúdos em blogs e depois em áudios e depois distribuindo gratuitamente pelo puro prazer de compartilhar a informação e de emitir suas opiniões de forma independente.

    Me parece que isso criava nos ouvintes uma espécie de confiança na autenticidade e sinceridade pelos seus podcasters preferidos.
    A partir do momento em que alguns passaram a “monetizar” os casts e até mesmo se profissionalizaram, aos poucos, parece que isso começou a incomodar os ouvintes que buscavam conteúdos autênticos e independentes. Daí certos podcasters começaram a ser visto quase que como “mercenários”.
    Eu pessoalmente não gosto de podcasts ou qualquer outro tipo de mídia produzida exclusivamente com finalidade de fazer propaganda / publicidade de produtos ou serviços por que a experiência tem mostrado que geralmente lhes falta idoneidade, são tendenciosos (pois existem para isso) e na maioria dos casos induzem os consumidores à erro com a exclusividade finalidade de lucro e sem a mínima preocupação ética em lesar o consumidor.
    Dessa forma os ouvintes parecem perceber os podcast(er)s publicitários como agentes à serviço dessa ideologia do lucro a qualquer preço e por consequência passam a repudiar certos podcast(er)s.

    Especificamente sobre o Café Brasil, finalmente entendi a razão pela qual nunca consegui ouvir nenhum episódio até o final.
    Sempre achava que havia alguma coisa estranha. Além dos comentário no meio do programa que me incomodam de mais, o Luciano Pires disse que ele lë. Isso me transmite uma sensação estranha de mecanicidade ou artificialidade, mas não sei definir com clareza. Posso apenas dizer que o textos são ótimos mas simplesmente não consigo ouvir os programas e prefiro apenas ler o textos.
    Mas isso de maneira alguma é uma crítica ao Luciano e sim ao formato e ao conteúdo publicitário inserido, coisa que – repito – me incomoda profundamente por inúmeras razões ideológicas que não vem ao caso abordar aqui, mas que abordarei em um episódio específico do Papo Filosófico.

    Por hora é isso. Um grande abraço !

    • Nossa, seu comentário rende um episódio a parte, Marcio! Mas valeu por deixar aqui sua opinião.
      Quanto a publicidade podcastal, acho que intervenção desta no conteúdo é algo inevitável. Estamos num momento de afirmação da mídia, muita coisa ainda vai mudar.
      Quanto ao estilo de apresentação de cada podcast, isso é uma questão de padrão editorial. É algo particular e vai de cada um gostar ou não. Há vários podcasts famosos que eu não suporto. E por outro lado, ouço outros que quase ninguém ouve, mas acho fantástico. É isso, é algo subjetivo e há pessoas que gostam e outras não.
      “Publicidade em podcast”. Tá aí um excelente tema para uma discussão mais a fundo. “Os Comentadores” já tem um programa sobre o assunto, mas pode apostar que renderia vários outros podcasts.

  • Olás!

    Felizmente faço parte dos ouvintes de podcasts que tem mais de 30 anos. Ser minoria nem sempre é uma boa coisa, mas não posso reclamar da maioria dos podcasts que escuto.

    Sou uma das pessoas que escuta podcast em casa. Em frente ao pc, lavando louça, passando roupa, deitada relaxando, me alongando, no banho, fazendo a unha…

    Acho que é por isso que gostei da fala do Luciano Pires sobre assinatura de feeds. Finalmente alguém admite que isso não é algo simples!!
    Sério, a primeira vez que ouvi falar sobre assinar podcasts via RSS a explicação foi assim: clique no ícone e automaticamente fará a assinatura e não será mais preciso entrar no site para baixar o podcast. Cliquei no ícone e fui redirecionada para uma página que não entendi o que era, que não me pedia nenhum dado ou identificação e fiquei sem saber o que fazer. Tentei fazer isso algumas vezes e nunca consegui fazer a tal assinatura que dependia apenas de “clicar no ícone”. Só recentemente, lendo um post no Telhacast, descobri que precisava ter um programa que iria “juntar” ou, como dizem, “agregar” estas assinaturas.
    O que pode parecer um detalhe bobo para alguns é o que me impediu por anos de assinar podcasts e, admito, ainda estou receosa de tentar usar estas ferramentas que permitem assinar, já que não tive boas experiências com elas anteriormente.
    Quem sabe algo mais simples realmente resolva este problema de assinatura por parte de quem não é geek. Falando em geek, talvez o problema da popularização dos podcasts seja exatamente isso: a maioria das pessoas que mexe com podcasts está tão imerso no mundo tecnológico ou da internet que não consegue entender quem não está no meio, e por isso não percebe que só uma minoria entende os termos técnicos que usam.

    Sobre a mídia podcast em si: Para mim os podcasts podem fazer o que as primeiras rádios piratas, nos meados dos anos, tentaram: democratizar a informação e tirá-la do pequeno grupo que a domina. Infelizmente o sentido original das rádios piratas se perdeu. Torço e faço o que posso para que isso não aconteça com os podcasts.
    A discussão sobre publicidade, conteúdo pago e conteúdo independente nunca deve parar, para não correr o risco de se achar que conteúdo pago é o que deve reinar.

    Sobre o conteúdo sobre demanda: é uma revolução que está acontecendo e não tem como mudar. Dou como exemplo minha sobrinha de 6 anos: ela assistiu a novela Carrossel e agora vê Chiquititas.
    Faz questão de ver quando passa na TV, mas procura na youtube os episódios anteriores e se algo a impede de ver, ela procura na internet o capítulo. Com um adulto monitorando o q ela abre, mas já faz isso muito bem sozinha, Se os pais deixarem asiste todos os desenhos e músicas que gosta o dia todo pela internet.
    Agora tentem imaginar como alguém assim vai reagir no futuro. Alguém que nunca ficou presa a horários para ver o que gosta. Com certeza ela será uma consumidora diferente dos que temos hoje.
    Bem, fico por aqui e, de novo, parabéns pelos 2 anos de podcast.

    Nilda, 45 anos – Jandira/SP
    PS: RPM na trilha sonora?? Quanta nostalgia…
    😀
    😀
    😀

    • Reconheço que nunca tinha parado pra pensar que o feed pode dificultar a popularização da mídia. O Luciano estava certo, ele me fez refletir sobre o assunto. E também concordo com ele que surgirá outros meios para se ouvir/acompanhar podcast. Não sei o que e nem como, mas tenho certeza.
      Quanto conteúdo sob demanda, também é um tema a parte que renderia um episódio apenas sobre essa verdadeira revolução tecnológica.

  • Fala Randal e Sacutti,

    Primeira vez que comento aqui e já queria deixar os parabéns pelos dois anos de programa. Todos que ouvi até hoje foram de ótima qualidade e espero que continue assim por muito tempo!

    Agora sobre o podcast em si, a discussão foi muito boa. É sempre bom pensar sobre a mídia que estamos, os caminhos que ela está trilhando e tchururus. O problema, como vocês comentaram, é que não é muita gente que conhece o formato podcast. Já me peguei várias vezes caracterizando ele como “um programa de rádio na web”, pra facilitar pras pessoas entenderem, mas sempre fica aquela sensação de que ficou incompleto.

    Além disso, nem na faculdade a gente vê esse tipo de mídia sendo abordada. Eu estudo comunicação social e nem nas matérias de jornalismo, nem nas de publicidade eu vi ninguém falando sobre podcasts. Se não fosse por pesquisas individuais e a gravação do meu próprio podcast, eu nunca ficaria sabendo dessa mídia e não poderia aplicar no meu dia a dia profissional.

    Outro ponto que vocês falaram no podcast é a comparação com os programas de rádio. Aqui em Belo Horizonte, uma das rádios de maior sucesso é a que se dedica quase que exclusivamente a programas de conversas, informações e brincadeiras. Na 98 FM, essa programação começa de manhã, com o Silicone Show; vai pra hora do almoço com o 98 Futebol Clube, a tarde fica por conta do Ricardo Amado e no fim tem o Grafite. São todos programas que prezam muito pela interação com o ouvinte e tem o tom mais descontraído que tanto faz sucesso em um podcast. Isso sem falar nas transmissões de futebol dos jogos de Atlético e Cruzeiro, que são uma zueira à parte.

    Enfim, parabéns de novo pelos 2 anos. Abraços!

    Bruno Assis, 24 anos, Belo Horizonte, jornalista e podcaster no Papo di Minero

    • Falta muito, muito mesmo, para a popularização da mídia podcast, Brunin. Acredito que seja uma questão de tempo e nós que produzimos conteúdo e os ouvintes devem também fazer sua parte na divulgação da mesma.

  • Muito bom galera! Mais um episódio sensacional…. Como é bom saber que não somos só nós que tivemos dificuldades pra desenvolver nosso podcast!

    Ótimos convidados! Feliz Aniversário!!!!!

    • Obrigado, Sammy. E pode apostar, a gente sabe perfeitamente o quão difícil é produzir um podcast. Não devemos desanimar, temos que fazer nossa parte para que a creça e se popularize. Como o Thiago disse no episódio, apenas 0,5% da população brasileira (isso arredondando pra muito mais) conhece podcast.

  • Olá pessoal,

    PARABÉNS AO NA PORTEIRA CAST! Sou ouvinte recente de vocês, gosto muito da profundidade dos temas abordados.

    “Nós somos uma evolução do rádio? A internet vai matar a televisão?” SIM e NÃO.

    Acredito que os podcasts tendem a aumentar junto com o crescimento da banda móvel brasileira. Eu ouço mtos podcasts no transito.

    Acredito que sincronizar os arquivos mp3 é uma grande barreira na popularização da podosfera.

    Abs

    Vinícius

    • Eu mesmo escuto com frequência meus podcasts favoritos enquanto estou no trânsito. A tecnologia mp3 – não só o formato digital, mas os reprodutores – ajudam e muito na mobilidade e difusão da mídia. Vamos dar tempo ao tempo.

      • Olá Randal.

        Desculpe, o que eu quis dizer era sobre o ato de ‘sincronizar’ os arquivos mp3 ser uma grande barreira. Essa sincronização exige diciplina do ouvite para saber o que ouviu e não ouviu, controle de espaço em disco, controle de assinatura de feed, download para maratonas etc.

        O formato mp3 concordo que é o ideal, principalmente pela compatibilidade dos reprodutores. 🙂

        Abs

  • Randal, parabéns pelos 2 anos, e parabéns pelo episódio, considero que talvez tenha sido o mais bacana que já foi feito sobre o tema (“podcast sobre podcast”).

    Nossa mídia é obscura, e deve continuar assim por muito tempo. Eu noto que as pessoas ao meu redor no trabalho e família têm pouca familiaridade com podcast, infelizmente essa é uma palavra ainda misteriosa para o cidadão comum. Azar deles.

    Por outro lado, nada se compara ao prazer de ter um podcast, ou de ouvir um podcast e mandar seu feedback, interagir com aquela pessoa que faz um trabalho que vc admira. Tive emails e feedbacks em áudio mencionados recentemente em grandes podcasts daqui e do exterior, isso não tem preço.

    Coloquei no meu site um link/menu “como ouvir”, para tentar ajudar as pessoas que visitam o site a consumirem o programa de maneira mais eficiente, acho que todos nós poderíamos ter algo assim. O primeiro site em que vi um “como ouvir” foi o clássico Papo Tech. No meu caso, é http://www.podcastf1brasil.com.br/sobre/como-ouvir/

    Há carros que estão saindo de fábrica com o Stitcher instalado, isso pode ser uma grande coisa para nós durante os próximos anos: nêgo poderia entrar no carro, clicar no stitcher e ouvir seu podcast direto sem grandes intermediários

    abração
    Carlos Del Valle

    • Pois é, Carlos, sobre a popularidade de podcast, temos muito que crescer ainda. E fazendo um desabafo, vejo muitos podcasts que se acham tão populares quanto a Ivete Sangalo ou o Faustão. Como certa vez um amigo meu inteligentemente disse, “ser um podcaster famoso é como ser o campeão de bocha do bairro”. Ou seja, temos muito, mas muito que crescer mesmo! Quem sabe um dia a gente atinge, sei lá, 20% da população brasileira. Ai sim, o cenário será melhor.
      Achei bastante interessante a aba “como ouvir” que você criou no site do Podcast F1 Brasil. Até chegou a cogitar em postar algo parecido aqui no Na Porteira. De uma forma indireta, você ajuda a propria difusão da mídia, pois ajuda os usuários interessados a ouvir podcast.

  • Quem lembra do inicio do YouTube? E do facebook? E do início do Twitter? Era bem legal todos , mas quando se tornou popular ficou uma merda….cheio de propagandas, comentários inúteis e exibicionismo…fica popular significa que a maioria da população vai ouvir. E quem ouve quer produzir… aposto que vão ter podcast de forro, funk e vídeos de miss bumbum…. quem viver verá !

    • Não tem jeito, Edu, a popularização gera todos esses problemas que você apontou.
      Quanto a podcasts com o conteúdo ultra popularescos, não duvidaria. Mas pense bem, é interessante pra mídia a diversidade do conteúdo, isso faz a gente crescer. Vai da opção da gente ouvir ou não ouvir, não é?

  • Caramba!!! Você sabe que foi incluído na Black List dos Comentadores, né?

    Chega de indicar o Na Porteira! Tá chato isso já!

    Enfim, é sempre um grande prazer ouvir Eduardo Sales e Luciano Pires falando sobre Podcast. São, claramente, apaixonados pela mídia.

    O Thigado – The Boss – Miro também acrescenta muito, ainda mais pelo fato de ser o maior empreendedor podcastal que conheço. E, justamente por ter o meu respeito, é que aceitei entrar neste novo projeto META LINGUÍSTICO chamado OS COMENTADORES.

    Aliás, estamos prontos para sermos VIDRAÇA deste o primeiro episódio. E sinto falta de receber mais críticas.

    Nossa área de comentários tem sido muito bem movimentada, mas no geral são elogios e discussões sobre o tema abordado.

    Gostaria de mais “pedradas”.

    Principalmente destes senhores que participaram aqui. O Luciano, coitado, eventualmente recebe umas DMs minhas pedindo que ouça um ou outro episódio.

    Claro que não faço isso em todos os programas porque sei que trata-se de uma pessoa ocupada.

    O Dudu já manifestou nos ouvir e sigo aguardando seus comentários, embora goze da mesma situação de pessoa ocupada do Luciano.

    Novamente, excelente programa, Randal. Você sempre cumpre com o compromisso de nos trazer material de excelente qualidade.

    Grandes abraços.

    Seu iBrother! 😉

    aLx

    • Obrigado, aLx! Você incentiva e divulga nosso trabalho desde muito tempo. É um dos principais divulgadores do Na Porteira, mesmo antes de “Os Comentadores”!

  • wcirley

    Esse na porteira ta bom de mais sô!!!!
    exelente trabalho e se depender de mim vcs terao cada vez mais comentarios e cada vez mais downloads tambem… um abraçao desde de Barcelona- Espanha

    • Gracias! Oigas siempre nuestro trabajo y dejanos su opinión (só não postei o sinal de exclamação ao contrário no início da frase porque não o encontrei no mapa de caracteres).

      • wcirley

        Na verdade nao é obrigatório por o sinal no começo da frase, antes era hoje em dia já nao…. mas eu to em Barcelona e eu te desafio escrever no idioma local daqui que é o catalan heheheheh, Randal nao sei se vc só brincou com o castellano ou se de verdade tu sabe falar espanhol, se vc souber quero te indicar um podcast de historia exelente que se tratando de contexto historico nao encontrei nenhum brasileiro do mesmo nivel de conhecimento, se chama (el podcast del Buho http://elpodcastdelbuho.com/) eu iria adorar ver vcs debatendo sobre o tema de alguns dos episodeos que esse cara ja fez. To ficando adcto ao NPC… Obs: “oigas” é muito formal hehehehe ou muito sudamericano. un fuerte abrazo.

        • Sim, já estudei espanhol. Estou um pouco enferujado, mas já viajei por alguns países da América do Sul e sempre me comunico na língua local. Se é que a gente pode chamar o espanhol rioplatense (falado na Argentina e Uruguai) de espanhol! No Chile, há muitas palavras únicas, foi bem legal conhecer. Eu leio muito melhor do que falo ou escuto (esse último é o mais difícil).
          Quanto ao calatão, também já tive contato e achei uma língua dificílima. Parece uma mistura de castelhano, italiano e francês. Conheci duas moças de Barcelona, não conseguia me comunicar no dialeto delas. Pero muchas gracias e que le vaya bién!

  • Parabéns mais uma vez Randal e Sacutti pelo ótimo trabalho de vocês, fico muito feliz de verdade ao ouvir cada podcast de vocês.
    Quanto ao programa, foi do caralho, muito bom mesmo, com alta qualidade de comentários e principalmente levando a gente que faz essa mídia acontecer a refletir muito sobre o que fazemos, como vocês comentaram, e também acabei de ouvir nos comentadores, a difusão da mídia ainda engatinha, já que não temos grandes conglomerados das comunicações alimentando esse tipo de mídia.
    Seria muito bom se ela fosse mais popular, mas não me animo muito com isso, já que grande parte dos usuários de computador que conheço só sabe o nome do usuário e senha do FB.

    Abraços e parabéns mais uma vez

    • “…já que grande parte dos usuários de computador que conheço só sabem o nome do usuário e senha do Facebook”. Vou guardar essa frase, fantástico!

  • Parabéns Randal, Sacutti e o Burrinho.

    Dois anos fazendo o MELHOR PODCAST da atualidade. Com muito orgulho posso dizer que já ouvi todos NPC’s mais de uma vez. Com o NPC conheci Séries novas, viajei pela América Latina, Aprendi muito sobre idiomas, Adentrei no Maravilhoso universo da cerveja (SALVE), viajei pelo mundo pagando pouco, fui na era do gelo e caminhei com os dinossauros, tatuei algo no corpo, conheci o mundo dos cachorrinhos, Chorei com temas do cinema, enrolei a língua várias vezes e honrei cada MB’s baixado com a qualidade do NPC.

    Parabéns e Muito obrigado por me dar um podcast onde grito a Plenos pulmões:

    O MELHOR PODCAST DO BRASIL

    • Confesso que me emocionei com a descrição. Foi o melhor resumo que alguém já apresentou dessa bagaça podcastal em dois anos dessa indústria vital.
      Obrigado, Daniel. Só discordo completamente quanto “o melhor podcast do Brasil”. A gente tem um longuissimo caminho até chegar a essa meta. Mas valeu mesmo pelas palavras.

  • Parabéns Randal e Sacutti! Engraçado como esses anos passaram rápido, e como vocês estão melhores a cada edição. A variedade dos temas, a competência dos participantes, e acho que o mais importante, a paixão que vocês têm pelo que fazem! O NPC 34 foi a cereja no bolo da roça, coroando dois anos do que vem sendo considerado como um dos melhores podcasts brasileiros! Que continuem com o ótimo trabalho!
    PS: Estou impressionado com o carinho que vocês tem pelo seu público. A cada edição aumenta o número de comentários, que também estão cada vez maiores, e não tem um que não veja você respondendo!

    • Pois é, Padu, como a gente disse no programa, a interação entre os ouvintes e podcasters é a uma das marcas dessa mídia, não é? Sendo assim, fazemos nossa parte!
      Obrigado pelas palavras. A gente fica muito, muito contente!

  • Randal e Sacutti,

    Parabéns pelo ótimo programa. Devo confessar que não escuto todos os episódios do NPC, mas sempre que escuto não me arrependo. A escolha de convidados é sempre precisa e se eles aceitam o convite é porque sabem da qualidade do programa.

    Confesso, ainda, que sempre que vejo um programa metalinguístico publicado, pulo ele na frente de todos os Podcasts que eventualmente estejam na fila de meu Beyondpod. No caso deste episódio, descobri-o tardiamente, creio que ouvindo os Comentadores, mas, como diz a sabedoria popular “antes tarde do que nunca”.

    Feita esta (não tão) breve introdução, permita-me divagar de maneira ilógica e desordenada sobre minha relação com a mídia e o que espero do futuro.

    A beleza do Podcast, em minha humilde opinião, está nas inúmeras funções que ele pode cumprir.

    Quando descobri a mídia em 2006, a utilizava basicamente para treinar o idioma espanhol, descobrir bandas de rock latino-americano e obter um entendimento mínimo sobre a nobre arte de beber vinhos (não sei se o Latin-Roll e o Vino para Principiantes ainda existem…).

    Em 2010 voltei a tomar gosto pela mídia através do Nerdcast. Mas o negócio pegou pra valer ano passado, quando me mudei para uma pequena cidade nos EUA para cursar meu doutorado em Relações do Trabalho. Meu leque de podcasts expandiu-se significativamente, pois ouvir essas “conversas descontraídas” é uma forma de matar as saudades do Brasil, da saída com os amigos, das discussões de assuntos do cotidiano e de cultura pop nas mesas de bar de São Paulo.

    Hoje, gravando meu próprio podcast, a mídia serve também como forma de manter um contato quinzenal com meus amigos do Brasil, fazendo aquilo que mais falta eu sentia – discutir, zoar e ser zoado quando o assunto é futebol.

    Neste sentido, podcast tem algo de pessoal que o aproxima mais de uma rede social do que um programa de rádio – pelo menos da forma como a mídia vem sendo construída pela comunidade podcastal no Brasil…

    Quanto à discussão sobre como popularizar o formato, acho que há um problema sério que atende pelo nome de iTunes. A mídia está intimamente ligada à plataforma que, em última instância, deixa muito a desejar. De maneira geral não é uma plataforma intuitiva, não incentiva uma navegação sem direção como YouTube, além de ser terrível do ponto de vista do produtor de conteúdo, já que não temos qualquer liberdade, ou mesmo informação, em nossa interação com a plataforma. O YouTuner é um esforço interessante, mas como reproduz um modelo que funciona bem para vídeos (de curta duração) não estou tão certo que seja a solução ideal para acabar com a iTunes-dependência.

    Enfim, parabéns uma vez mais pelo ótimo programa, venham conhecer o Segue o Jogo e sintam-se convidados para um dia discutir o outrora poderoso futebol do interior de São Paulo.

    Saudações ludopédicas,

    Paulo Marzionna
    http://segueojogo.net

    • Uma pena que seu comentário foi postado depois da gravação do “Correio da Roça” – aliás, até já lançamos o episódio novo. Bastante relevante sua opinião e seria interessante discuti-la. Bem, fica pra próxima!

  • José Ricardo

    Parabéns Randall Sarcutti..
    Escuto vocês desde o porteira da aviação, e com certeza afirmo que, para mim, O Na Porteira Cast é o melhor podcast no momento vocês merecem vida longa!!! abraços.

    • Muito obrigado, Ricardo. Só não concordo que o Na Porteira seja o melhor podcast do momento, temos muito, mas muito que aprender e melhorar ainda. São comentários como o seu que nos incentiva a melhorar mais e mais. Valeu mesmo!

  • Tiago Souza

    Parabéns por mais um ótimo programa Randall e Sarcutti. Acabei de ouvir o cast e me senti na obrigação de vir comentar. A escolha dos convidados foi excelente. Com certeza o NPC é um dos melhores podcasts hoje no Brasil.

    Apenas algo que gostaria de acrescentar e que não vi ninguém disser durante o cast é que sinto falta da possibilidade de comentar podcasts diretamente pelo aplicativo. Eu, por exemplo, ouço no “Podcast” do iPhone, mas infelizmente não tem opção de comentar diretamente pelo aplicativo. Conhecem algum aplicativo onde isso seja possivel? Certamente o número de comentarios aumentaria. Eu particularmente considero incomodo sair do aplicativo para ter que entrar no site e comentar. Não costumo comentar com frequência, por falta desta opção.

    Parabéns (atrasado) pelos 2 anos na estrada e que venham muitos mais.
    Abraços.

    • Cara, eu nunca havia pensado nisso, é uma excelente sugestão! Tomara que algum desenvolvedor leia o seu comentário, pois não conheço nenhuma app que faz isso. Até pra gente que produz conteúdo seria uma boa.

  • Bruno

    Parabens pelo programa,

    Gostaria de saber como vcs convencem um outra pessoa a ouvir e se atualizar sobre os podcasts?

    • Quando vou apresentar um podcast para alguém, geralmente sugiro um assunto que eu sei que a pessoa gosta. Acho o boca a boca uma das princiapais maneiras de desenvolvimento da mídia.
      Uma coisa é certa: quando alguém começa a gostar da mídia, fatalmente alguns dos seus amigos também são “contaminados”.

  • Darli

    Ouvindo…

  • Randal e equipe “ces tão” de parabéns. Comecei a ouvir vocês graças aos ComenDadores da podosfera (Os Comentadores). Estou na maratona de ouvir todos, jah ouvi os últimos e agora vou percorrendo por todos. Ja chamei a turma de WhatsCasters para pular a porteira também. Ate mais esse teu amigo Japonês e bom entendedor de assuntos hein. Voces pediram no NPC coisa nova então que tal ouvirem o primeiro podcast no mundo feito via WhtasApp? @WhatsCast Abraço.

    • Obrigado por nos recomendar, “Kaiser”. E já acessei o site do seu podcast, já baixei o primeiro episódio.